OBatuque - Os sambas de Beija-Flor, Portela e União da Ilha

Os sambas de Beija-Flor, Portela e União da Ilha Destaque

Publicado em Artigos
Quarta, 10 Outubro 2018 09:18

Por Aloisio Villar 

As escolas seguem escolhendo seus sambas, e Beija-Flor, Portela e União da Ilha escolheram os seus no último fim de semana, quer dizer: a Beija-Flor só encerrou sua escolha nessa terça.

Sim, a escolha nilopolitana foi quinta passada e escolheram o samba número 4, da parceria Di Menor BF, Julio Assis, Kiraizinho,Diego Oliveira, Fabinho Ferreira e Diogo Rosa. Um samba melodioso, com letra descritiva que nessa terça foi "juntado" ao samba 7, da parceria de Serginho Aguiar, Dr. Rogério, Kaká Kalmão, Márcio França, Jorge Aila e Carlinhos Ousadia. Um samba diferente do número 4, com melodia mais para cima, mais valente.

Pelo que ouvi da junção, o samba 4 foi preservado com alguns acréscimos do 7, ficando a melodia mais balanceada, o samba melódico. Eu tinha gostado mais do 7 e previ em vídeo a junção, a qual ainda não em acostumei. A verdade é que sendo junção ou não o samba é aquém da grande homenagem à história da Beija-Flor. Não tem um grande momento, não emociona.

Diferente do samba da Portela. A safra havia me decepcionado um pouco, nada havia me emocionado tendo a Portela um dos grandes enredos do ano, um enredo 100% emoção, falando de um do seus maiores símbolos: Clara Nunes. Mas o samba da parceria Jorge do Batuke, Valtinho Botafogo, Rogério Lobo, Beto Aquino, Claudinho Oliveira, José Carlos, Zé Miranda, D’Dousa e Araguaci alcançou essa emoção.

Um samba em primeira pessoa, como se fosse Clara se apresentando em sua volta e a forma que reencontra a Portela, emociona. Tudo que representa Clara Nunes está no samba. A filha de Ogum com Iansã recebe uma homenagem à sua altura.

Na decisão mais polêmica até agora do Carnaval 2019, venceu na União da Ilha a parceria de Myngal, Marcelão da Ilha, Roger Linhares, Marinho, Capitão Barreto, Eli Doutor, Fernando Nicola e Marco Moreno. O samba é muito bonito, um "biscoito fino", com poesia do primeiro ao último verso, mas não conquistou a comunidade insulana que preferia o samba da parceria de Marquinhus do Banjo. É um samba melódico, sem momentos explosivos como o insulano se acostumou, e isso pode ter prejudicado na preferência por ele, mas é um samba que pode dar resultado para a agremiação, graças à sua qualidade. Depende agora da comunidade abraçar o samba.

Semana que vem tem os resultados de Salgueiro, Mangueira e Tijuca.

Twitter - @aloisiovillar   

Facebook - Aloisio Villar 

Instagram - @aloisiovillar   

 

 

Entrevistas

Cantor e compositor Rico Medeiros: "Nossa Senhora!"

Cantor e compositor...

Por Luis Leite Nascido em Niterói, Nilzo Medeiros, popularmente conhecido como...

Luiz Carlos Bruno: “Quero voltar a trabalhar para fechar o portão com sabor de dever realizado”

Luiz Carlos Bruno:...

Por Ricardo MaiaFotos: arquivo pessoal A paixão de Luiz Carlos Bruno...

Juarez Carvalho, o Titio das baianas da Tijuca

Juarez Carvalho, o...

Por Ricardo Maia Desde 1999 na Unidos da Tijuca, Juarez Carvalho...

Escolas Mirins

Intérpretes mirins promovem live solidária nesta segunda-feira

Intérpretes mirins promovem live solidária nesta segunda-feira

Por iniciativa de um grupo de cantores das escolas de samba mirins, a Aesm-Rio promoverá ...

Samba de Raiz

Pagode

Morre Gegê Nazaré, do grupo Razão Brasileira

Morre Gegê Nazaré, do grupo Razão Brasileira

Por Luis Leite Faleceu na última segunda-feira (15), aos 61 anos, o ex-integrante do gru...

Carnaval pelo Brasil

Ex Panicat Tânia Oliveira é a nova Madrinha de Bateria da Acadêmicos do Tucuruvi

Ex Panicat Tânia Oliveira é a nova Madrinha de Bateria da Acadêmicos do Tucuruvi

Na noite deste sábado (23), a escola de samba Acadêmicos do Tucuruvi, abriu as ...

 

icone instagram

Book OBatuque

Extras

fotos

JoomShaper