Wip lojas

Móveis pelo menor preço! 
www.movelcasa.com.br
Parcele seus móveis em até 12x Sem Juros

http://templatesjoomla.com.br/
Templatee Joomla Profissional!
Templates a partir de R$ 9,90.

Lá vem a Pioneira sob a batuta do mestre China

Publicado em Entrevistas
Domingo, 19 Fevereiro 2017 04:03

Por Wellington Lopes
Foto: Alexandre Lourenço

Ele nasceu José Roberto Monteiro Bitar, mas durante a infância foi apelidado de China, em decorrência de sua irmã nissei, Tayonara, que praticava de lutas marciais. Em 1982, desfilou pela primeira vez na ala das crianças do Império Serrano com a sua avó Josefa. Filho de Alzenira Bitar, China aos poucos começou a se encantar com o som da bateria, especialmente com o som do repique, instrumento que tocou pela primeira vez.

Hoje, formado na universidade do samba, mestre China tem a responsabilidade de garantir a nota máxima para a Pioneira, a bateria de uma das escolas mais tradicionais do Rio de Janeiro, a Vizinha Faladeira.

 

OBatuque.com – Por quais escolas você passou, como ritmista e mestre?
Mestre China - Eu passei por várias escolas como ritmistas e algumas como diretor de bateria e mestre. Como ritmista saí na Engenho da Rainha, Cabuçu, Império da Tijuca, Arranco, Ponte, Cubango, Unidos da Tijuca, Salgueiro, Vila Isabel, Caprichosos, Viradouro, Porto da Pedra etc., muitas. Como diretor e mestre: Estácio de Sá, Canários das Laranjeiras, Foliões de Botafogo e Alegria da Zona Sul.

OBatuque.com – Qual o seu instrumento de preferência?
Mestre China - Gosto muito de tocar um bom repique, caixas e surdo de segunda.

OBatuque.com – Quando e como você assumiu a bateria da Vizinha?
Mestre China - Eu desfilo na Vizinha há muitos anos. Toquei para vários mestres: Rei, Capoeira, Esteves, Jorginho, Lolo entre outros. A Vizinha ficou dois anos sem desfilar. Essa nova administração assumiu dois anos e eu fui convidado pelo diretor de Carnaval, o Capoeira, a pôr um samba na escola e tive a felicidade de ganhar e dar o campeonato à escola. Ganhei todos os prêmios. Meu samba, em 2015, era com o mestre Marcão. Eu era presidente da bateria. Em 2016, Marcão saiu, e eu assumi o cargo de mestre. Estamos há dois anos à frente da bateria Pioneira. Agradeço pelo convite e a confiança do presidente David dos Santos.

OBatuque.com – Você participa da escolha dos sambas-enredos da Vizinha?
Mestre China – Sim. Gosto de participar. Esses três anos, eu e a Direção de Carnaval escolhemos o melhor, o resultado está aí com: safras boas todos os anos.

OBatuque.com – Quando começaram os preparativos para o carnaval deste ano?
Mestre China - Nossos ensaios começaram em maio do ano passado, com as oficinas e ensaios. Nosso calendário é o contrário das outras escolas. Começamos bem antes: escolher samba, barracão e ateliê.

OBatuque.com – Como vem a bateria da Vizinha? Pode adiantar alguma conversão?
Mestre China - Bateria vai desfilar com 120 componentes, com todos os naipes: tamborins, chocalhos, agogôs, cuícas, caixas, surdos, repiques, e este ano porei uma ala de frigideiras. A bateria virá com duas conversões e um break, estamos ensaiando ainda até semana que vem, quero, sem dúvidas, todos em sintonias.

OBatuque.com - Você é a favor dessas mudanças que ocorrem entre os mestres de bateria, sobretudo do Grupo Especial?
Mestre China - Sou contra essas mudanças porque muitas baterias estão ficando e virando uma mesmice, devido às exigências dos jurados para ter mais criatividade. Hoje, estamos escassos de repiques. São poucas baterias que têm sua ala completa. Gosto muito de manter a essência de cada bateria e as características delas. Quando eu assumo uma bateria, vejo qual é a deficiência dela e começo a trabalhar em cima dos naipes que estão precisando.

OBatuque.com – Ao assumir a bateria da Vizinha Faladeira, você mudou alguma coisa ou mantém a identidade da escola? Quais os instrumentos que identificam a sua bateria?
Mestre China - Continuo mantendo a pegada de caixas e swing das terceiras. A característica da bateria da Vizinha Faladeira é sem dúvidas a batida com as caixas e surdos de terceiras. Tocamos para Ogum. A comunidade é forte nesses naipes. A bateria Pioneira está hoje presente, acredito que em todas as baterias do Rio de Janeiro.

OBatuque.com – A que você atribui o aperfeiçoamento das baterias?
Mestre China – Hoje temos que ter um diferencial, todas as baterias estão evoluindo cada vez mais. Nenhuma delas passa por passar, todas estão bem ensaiadas e executando suas conversões com perfeição.

OBatuque.com - Como mestre, você precisou fazer algum curso de música para aperfeiçoar o aprendizado?
Mestre China - Eu sempre gostei de samba e nunca fiz faculdade de música, algo e tal. Eu sempre quis aprender a tocar. Então, em cada bateria fui fazendo um laboratório de cada instrumento, até me formar um bom ritmista.

OBatuque.com – Um mestre de bateria?
Mestre China - Gosto muito de três grandes mestres: Ciça, Odilon e Marcão. Dos novos: Lolo, Thiago Caleguinho e outros dessa safra boa de novatos.

OBatuque.com – Eles serviram de inspiração?
Mestre China - Cada mestre tem uma característica, uma identificação na sua bateria, mas os três que eu citei me agradam em razão de alguns naipes dentro de suas baterias.

Lá vem a Pioneira sob a batuta do mestre China

Publicado em Últimas Notícias 1
Domingo, 19 Fevereiro 2017 13:03

Por Wellington Lopes
Foto: Alexandre Lourenço

Ele nasceu José Roberto Monteiro Bitar, mas durante a infância foi apelidado de China, em decorrência de sua irmã nissei, Tayonara, que praticava de lutas marciais. Em 1982, desfilou pela primeira vez na ala das crianças do Império Serrano com a sua avó Josefa. Filho de Alzenira Bitar, China aos poucos começou a se encantar com o som da bateria, especialmente com o som do repique, instrumento que tocou pela primeira vez.

Hoje, formado na universidade do samba, mestre China tem a responsabilidade de garantir a nota máxima para a Pioneira, a bateria de uma das escolas mais tradicionais do Rio de Janeiro, a Vizinha Faladeira.

 

OBatuque.com – Por quais escolas você passou, como ritmista e mestre?
Mestre China - Eu passei por várias escolas como ritmistas e algumas como diretor de bateria e mestre. Como ritmista saí na Engenho da Rainha, Cabuçu, Império da Tijuca, Arranco, Ponte, Cubango, Unidos da Tijuca, Salgueiro, Vila Isabel, Caprichosos, Viradouro, Porto da Pedra etc., muitas. Como diretor e mestre: Estácio de Sá, Canários das Laranjeiras, Foliões de Botafogo e Alegria da Zona Sul.

OBatuque.com – Qual o seu instrumento de preferência?
Mestre China - Gosto muito de tocar um bom repique, caixas e surdo de segunda.

OBatuque.com – Quando e como você assumiu a bateria da Vizinha?
Mestre China - Eu desfilo na Vizinha há muitos anos. Toquei para vários mestres: Rei, Capoeira, Esteves, Jorginho, Lolo entre outros. A Vizinha ficou dois anos sem desfilar. Essa nova administração assumiu dois anos e eu fui convidado pelo diretor de Carnaval, o Capoeira, a pôr um samba na escola e tive a felicidade de ganhar e dar o campeonato à escola. Ganhei todos os prêmios. Meu samba, em 2015, era com o mestre Marcão. Eu era presidente da bateria. Em 2016, Marcão saiu, e eu assumi o cargo de mestre. Estamos há dois anos à frente da bateria Pioneira. Agradeço pelo convite e a confiança do presidente David dos Santos.

OBatuque.com – Você participa da escolha dos sambas-enredos da Vizinha?
Mestre China – Sim. Gosto de participar. Esses três anos, eu e a Direção de Carnaval escolhemos o melhor, o resultado está aí com: safras boas todos os anos.

OBatuque.com – Quando começaram os preparativos para o carnaval deste ano?
Mestre China - Nossos ensaios começaram em maio do ano passado, com as oficinas e ensaios. Nosso calendário é o contrário das outras escolas. Começamos bem antes: escolher samba, barracão e ateliê.

OBatuque.com – Como vem a bateria da Vizinha? Pode adiantar alguma conversão?
Mestre China - Bateria vai desfilar com 120 componentes, com todos os naipes: tamborins, chocalhos, agogôs, cuícas, caixas, surdos, repiques, e este ano porei uma ala de frigideiras. A bateria virá com duas conversões e um break, estamos ensaiando ainda até semana que vem, quero, sem dúvidas, todos em sintonias.

OBatuque.com - Você é a favor dessas mudanças que ocorrem entre os mestres de bateria, sobretudo do Grupo Especial?
Mestre China - Sou contra essas mudanças porque muitas baterias estão ficando e virando uma mesmice, devido às exigências dos jurados para ter mais criatividade. Hoje, estamos escassos de repiques. São poucas baterias que têm sua ala completa. Gosto muito de manter a essência de cada bateria e as características delas. Quando eu assumo uma bateria, vejo qual é a deficiência dela e começo a trabalhar em cima dos naipes que estão precisando.

OBatuque.com – Ao assumir a bateria da Vizinha Faladeira, você mudou alguma coisa ou mantém a identidade da escola? Quais os instrumentos que identificam a sua bateria?
Mestre China - Continuo mantendo a pegada de caixas e swing das terceiras. A característica da bateria da Vizinha Faladeira é sem dúvidas a batida com as caixas e surdos de terceiras. Tocamos para Ogum. A comunidade é forte nesses naipes. A bateria Pioneira está hoje presente, acredito que em todas as baterias do Rio de Janeiro.

OBatuque.com – A que você atribui o aperfeiçoamento das baterias?
Mestre China – Hoje temos que ter um diferencial, todas as baterias estão evoluindo cada vez mais. Nenhuma delas passa por passar, todas estão bem ensaiadas e executando suas conversões com perfeição.

OBatuque.com - Como mestre, você precisou fazer algum curso de música para aperfeiçoar o aprendizado?
Mestre China - Eu sempre gostei de samba e nunca fiz faculdade de música, algo e tal. Eu sempre quis aprender a tocar. Então, em cada bateria fui fazendo um laboratório de cada instrumento, até me formar um bom ritmista.

OBatuque.com – Um mestre de bateria?
Mestre China - Gosto muito de três grandes mestres: Ciça, Odilon e Marcão. Dos novos: Lolo, Thiago Caleguinho e outros dessa safra boa de novatos.

OBatuque.com – Eles serviram de inspiração?
Mestre China - Cada mestre tem uma característica, uma identificação na sua bateria, mas os três que eu citei me agradam em razão de alguns naipes dentro de suas baterias.

 

 

Entrevistas

Zezinho Martinez: “As escolas juntas seriam muito mais fortes”

Zezinho Martinez: “As...

Por Vander Fructuoso O presidente da Liga das Escolas de Samba...

Marcelinho Emoção explica a venda de 13 alas comerciais na Vila

Marcelinho Emoção explica...

Por Ricardo MaiaFoto: Eduardo Hollanda Nos últimos anos, as escolas...

Ciganerey: do Engenho da Rainha para a Estação Primeira

Ciganerey: do Engenho...

Equipe OBatuque.comFotos: Marcelo Moura O nome de batismo é Paulo...

Escolas Mirins

Samba de Raiz

Pagode

Carnaval pelo Brasil

 

Book OBatuque

Extras

fotos

JoomShaper