OBatuque - Cantor e compositor Rico Medeiros: "Nossa Senhora!"

Cantor e compositor Rico Medeiros: "Nossa Senhora!" Destaque

Publicado em Entrevistas
Cantor e compositor Rico Medeiros: "Nossa Senhora!" Foto: Arquivo Pessoal /Divulgação

Por Luis Leite

Nascido em Niterói, Nilzo Medeiros, popularmente conhecido como Rico Medeiros, começou sua trajetória no mundo do samba na Estação Primeira de Mangueira. Além de ser cantor “de meio de ano”, participou de vários programas de calouros na TV como o Cassino do Chacrinha, Carlos Imperial, Jair de Taumaturgo, César de Alencar entre outros, sendo o primeiro colocado em todos.  

Na Mangueira, em 1975, ganhou o concurso de melhor puxador de samba, na qual também defendeu o samba campeão dos compositores Tolito e Rubens da Mangueira que descreveram o enredo “No Reino da Mãe do Ouro”.  Rico passou a ser o primeiro puxador de samba da Verde e Rosa dentro da quadra.  No entanto, na avenida, Jamelão era o intérprete oficial, até porque na época ele não gravava LP de samba-enredo devido os conflitos das gravadoras. Nesse mesmo ano, Rico gravou o samba da Flor da Mina do Andaraí, que à época desfilava ainda como bloco carnavalesco.

Para sua decepção depois de ter gravado no estúdio o samba da escola para o Carnaval 1976, excluíram sua voz do disco e colocaram a voz de Rubens da Mangueira, irmão de Zuzuca do Salgueiro. Rico gravou também no LP “Carnaval 77 Ensaio Geral”, o samba “Nossa querida Mangueira”, do compositor Ney e o álbum "Os Melhores Sambas-Enredo 1977 - Ala dos Compositores", "Vamos falar de saudade", dos autores Jonas, Djalma e Tião Grande.

No Acadêmicos do Salgueiro se notabilizou e passou a ficar conhecido como Rico Medeiros. Rico foi levado pelo compositor Renato de Verdade para defender sua obra, consagrando o samba campeão na quadra e na avenida, cujo enredo era “Do Yorubá à Luz, à Aurora dos Deuses”, a obra também foi vencedora do Estandarte de Ouro de melhor samba, prêmio oferecido pelo “Jornal O Globo”.

No ano de 1978, Rico Medeiros passou a ser a voz oficial do Salgueiro tanto na avenida quanto na gravação do disco de samba-enredo sucedendo Noel Rosa de Oliveira. Nesse ano, o cantor gravou um disco pela gravadora RCA Victor com o sucesso “Blusa Amarela”, de sua autoria e em parceria com Moacyr M.M. O samba foi muito tocado nas rádios no final da década de 70 e no início dos anos 80.  A obra também foi gravada pelos grupos Originais do Samba, Banda Rio-Copa e o Terra samba.  Além de ter suas músicas gravadas por Neguinho da Beija-Flor “Deixa eu te amar mais uma vez”, no LP Meu Mundo Novo ano de 1983, e Reginaldo Terto, no LP Carnaval 83 (Vol.2) Subindo nas paredes.

Já intérprete no Salgueiro, no ano 1980 para o carnaval 1981, gravou no LP de sambas-enredos das escolas do grupo 2B duas faixas: Unidos de Nilópolis e Unidos de Cosmos.  Fora do Rio no ano seguinte, foi intérprete oficial da agremiação Embaixada do Morro, uma das mais tradicionais e vitoriosas escolas de samba de Guaratinguetá, em São Paulo, onde gravou e seguiu puxando samba nos anos de 1982,1983,1984,1985,1987,1988 e 1990 pela Vermelha e Branca.

No ano 1982 após o retorno ao carnaval 1983 no Acadêmicos do Salgueiro, Rico criou dentro do estúdio Hawaí o alusivo no samba com o seguinte refrão: “O carnaval é a maior caricatura, na folia o povo esquece a amargura”, com enredo “Traços e troças”. Nesse ano teve sua voz na gravação do samba-enredo do Boêmios da Madama, agremiação do carnaval de Niterói.

Como político, Rico foi vereador em São Gonçalo-RJ entre 1982 e 1988. Nesse período, como puxador oficial do Salgueiro, ele gravou o samba-enredo da Lins Imperial, do Grupo A, para o carnaval 1985, mas não pôde desfilar na escola devido ao falecimento de seu pai. Seguiu com o Salgueiro, onde permaneceu como intérprete por lá até o carnaval de 1986. Nesse ano, Rico prestou uma homenagem ao compositor Bicho de Pena, apelido de Pedro Correia de Carvalho, o Pedro Marreco, chamado pelos jornais da época de Dono do Morro, entoando na gravação do samba-enredo do Salgueiro “Alô, Bicho de Pena!”, o tema era “Tem que se tirar da cabeça aquilo que não se tem no bolso” - tributo a Fernando Pamplona. Participou do LP-álbum da Simone “Amor e Paixão”, na faixa “Rei por um dia” com os puxadores do samba.  

No ano 1987, após ser dispensado pelo Salgueiro, teve uma breve passagem pela Imperatriz Leopoldinense a convite do presidente Luiz Pacheco Drumond. Na escola de Ramos, cantou no carro de som com Alexandre D’Mendes. No mesmo ano gravou o samba-enredo da escola de Manaus Vitória Régia.

Dois anos mais tarde, retornou para o Salgueiro, passando a ser o segundo da escola ao lado do puxador Rixxa. Desde então sua última passagem como intérprete oficial da Vermelha e Branca da Tijuca foi em 1990 com o enredo “Sou Amigo do Rei”.  Nesse mesmo ano gravou para o carnaval 1991 no LP das escolas de samba de Manaus o samba-enredo do G.R.E.S Jovens Livres.

No ano de 1993, Medeiros foi o segundo puxador ao lado do Quinzinho no carro de som da Unidos do Viradouro, também participou da coletânea “Escola de Samba”, da gravadora Sony Music, no LP do Acadêmicos do Salgueiro, cantando o samba “Quilombo dos Palmares”, de 1960.

Já fazendo parte da Ala de Compositores e também intérprete oficial da Unidos do Viradouro, Rico participou das disputas de sambas-enredos dois anos consecutivos, saindo-se vencedor com a parceria de Gilberto Fabrino, Jorge Baiano e PC Portugal, com o enredo “Tereza de Benguela, uma rainha negra no Pantanal”. Nesse ano 1994, a escola obteve o terceiro lugar no desfile, e no ano de 1995, ganhou com o compositor José Antônio Olivério mais a junção da parceria de PC Portugal. O enredo era “O Rei e os três espantos de Debret”. Já em 1999 defendeu o samba campeão da parceria de Dadinho na Viradouro e também no ano 2002 o samba-enredo composto por Jacy Inspiração, Celso Tropical, Rogerão e Gilberth Castro no Acadêmicos do Cubango. Em 2010, foi intérprete da escola de samba de Niterói Souza Soares. No último carnaval, gravou e puxou o samba do Acadêmicos da Pedreira, escola onde canta por mais de 30 anos em Belém do Pará.

   

OBatuque.com - Por que o apelido de Rico?
Rico Medeiros - Na minha época de cantor, quando eu cantava em tudo que era programa, eu conheci uma pessoa que passou a ser meu padrinho. Ele tinha o apelido de Gordurinha e achava que Nilzo não era nome de cantor, então achou melhor colocar o meu nome artístico de Rico Medeiros.

OBatuque.com - Conte como começou sua trajetória no mundo do samba como cantor?
Rico Medeiros - Foi em 1973 quando tudo começou. Eu, desde garoto, já cantava músicas de meio de ano, cantei em vários programas de calouros na TV como Chacrinha, Carlos Imperial, Jair de Taumaturgo, César de Alencar entre outros, sendo o primeiro colocado em todos.  

OBatuque.com - Em 1975 você ganhou o concurso de melhor puxador de samba na Mangueira, conte como foi essa experiência?
Rico Medeiros - Um belo dia alguém falou pra mim: “Por que você não vai lá na Mangueira? Está tendo um concurso de melhor puxador de samba-enredo, já que você ganha samba em tudo que é lugar”. Então resolvi me inscrever, nesse ano eu disputei com mais de 50 candidatos. Cada semana tinha eliminação até eu chegar entre os cinco finalistas do concurso, tornando-se o grande campeão. Passando a ser o primeiro cantor da Mangueira com direito a gravar e defender na quadra o samba-enredo, mas quando chegasse na avenida eu seria o segundo cantor, porque o Jamelão era o primeiro. Nessa época, Jamelão não gravava e nem defendia samba-enredo.        

OBatuque.com - No ano 1976, mesmo não tendo sua voz gravada no LP dos sambas-enredos, por que optaram por colocar a voz do compositor Rubens da Mangueira?
Rico Medeiros - Assim que eu passei a ser o puxador da Mangueira, um dos compositores da obra vencedora, com o enredo “No reino da mãe do ouro”, pediu para eu gravar o samba em lá maior, até porque nessa época eu não entendia e nem sabia nada de tonalidade de samba - talvez tenha sido um dos motivos. Quando cheguei ao estúdio, o maestro perguntou pra mim: “Qual o tom do samba?”. Eu respondi pra ele que era lá maior, levei escrito as notas do acorde e gravei o samba. Depois de alguns dias eu fui ouvir a gravação, minha voz não estava no disco. O próprio compositor Rubens pediu para apagar a minha voz e colocar a dele, e ninguém da diretoria tomou partido.

OBatuque.com – Como foi sua chegada no Salgueiro em 1977 levado pelo compositor Renato de Verdade, conte como foi essa história?
Rico Medeiros - Então, eu já estava decepcionado por ter tirado minha voz da gravação do disco de samba-enredo da Mangueira, depois disso pensei assim: não quero mais saber de escola de samba, porque não existe ninguém honesto. Um belo dia, eu estava em casa quando alguém bateu em minha porta me procurando. Era o compositor do Salgueiro Renato de Verdade pedindo para eu defender o samba dele na quadra. Ele falou assim pra mim: “Caso esse samba ganhe no Salgueiro, você vai ser o puxador da escola, porque o presidente vai dar esse direito, até então o que aconteceu com você na Mangueira todo mundo tomou conhecimento”. Aí eu peguei a letra do samba e coloquei a melodia. O samba foi campeão e passei a ser o puxador oficial do Salgueiro, assim nasceu Rico Medeiros. O samba foi trilha sonora do filme “007 Contra o Foguete da Morte”.

OBatuque.com - Como foi que você criou o alusivo no samba?
Rico Medeiros - Eu criei, lançando os gritos de guerra: “Nossa Senhora!”, “Simbora, Salgueiro!”, Explode, Salgueiro!”. No ano de 1982, eu estava na Espanha e falei com os amigos: quando eu voltar ao Brasil vou mudar essa chamada, porque todos os puxadores estão fazendo igual. Nesse mesmo ano, voltando de viagem, eu cheguei no estúdio Havaí para gravar o samba-enredo do Salgueiro, para o Carnaval 1983, quando o maestro Gino iria dar a introdução, eu pedi a ele fazer uma acorde sol maior eu gritei assim: “O carnaval é a maior caricatura, na folia, o povo esquece a amargura”, então eu, Rico Medeiros, em 1982 lancei o alusivo no samba.

OBatuque.com - No Salgueiro, você passou a ser intérprete oficial em 1978 e ficou até 1986. Por que você foi dispensado?
Rico Medeiros - Porque no carnaval de 1986, em Belém do Pará, eu puxei em duas escolas de samba no mesmo dia, o Acadêmicos da Pedreira e o Rancho não Posso me Amofiná assumindo o posto de Dominguinhos do Estácio que precisou viajar para cantar na Estácio de Sá.  Então quando eu cheguei ao Rio de janeiro para puxar o samba do Acadêmicos do Salgueiro, cheguei muito cansado e fui para avenida 50%, mas tive a felicidade de receber nota máxima dos jurados. Foi assim que o Senhor Miro, patrono da escola, com toda razão me dispensou do Salgueiro por eu ter puxado samba em duas escolas.

OBatuque.com - Nesse mesmo ano, durante a gravação do LP do samba-enredo do Salgueiro, você prestou uma homenagem ao compositor Bicho de Pena, chamado pelos jornais da época de Dono do Morro, conta como foi esse desfecho?
Rico Medeiros - Então, cada ano eu criava alguma coisa para valorizar a obra dos compositores, até porque todo o samba-enredo do Salgueiro eu mexia na gravação, e o compositor Jorge Melodia não gostou do que eu fiz, além de eu fazer um chamado no samba: Alô, Bicho de Pena! Sem eu saber, ele mandou chamar o Bicho do Morro, que também fazia parte da parceria, para ir ao estúdio Transamérica, saber o motivo da mudança da linha melódica do samba. Chegando lá, o Bicho pediu ao técnico para tocar o samba e perguntou para o Jorge: “Você mandou me chamar pra ver o quê? O samba está dez vezes melhor do que estava”, logo em seguida o Bicho apertou a minha mão parabenizando o meu trabalho.

OBatuque.com - Em 1982 você foi vereador de São Gonçalo, por que você optou pela política naquele ano?
Rico Medeiros - Eu fui vereador de 1982 até 1988. Então, não fui eu que optou pela política, foi a política que optou por mim. Nesse ano, eu cheguei de viagem da Espanha, e a cúpula do PDT foi à minha casa pedir ajuda, para eu participar da campanha política do partido, pois eu tinha chance de ser vereador. Faltando alguns meses para as eleições, sem saber nada de política, eu aceitei o convite. Dentro de três meses eu consegui fazer dois mil e poucos votos, sendo o sexto mais votado dentro município.  Dali pra frente comecei a minha carreira como político.

OBatuque.com - Após a política e o Salgueiro, você foi para a Imperatriz e depois para a Viradouro, inclusive foi vencedor de dois sambas nesta escola, como tudo aconteceu?
Rico Medeiros - Eu fui para a Unidos do Viradouro a convite do presidente José Carlos Monassa, em 1993, cantei no carro de som junto com Quinzinho e nesse mesmo ano passei a fazer parte da Ala de Compositores e convidei Cláudio Fabrino, Paulo César Portugal, Jorge Baiano e fizemos o samba na minha casa, eles vieram com a letra do samba, e eu com a linha melódica. O enredo era em homenagem a “Teresa de Benguela”. No ano seguinte, tive o prazer de ganhar novamente, mas dessa vez junto com o compositor José Antônio Olivério. O meu samba teve a fusão com o refrão da parceria de PC Portugal.

OBatuque.com - Depois disso, Rico Medeiros não cantou mais na Sapucaí, por quê?
Rico Medeiros - Eu já estava cantando contra a minha vontade. Por isso acabei abandonando o samba. Tive várias decepções.

OBatuque.com - Como você vê a quantidade de intérpretes num carro de som?
Rico Medeiros - Hoje é um gritando mais do que o outro, e você não sente a linha melódica do samba funcionar na avenida. Ou seja, a definição da melodia.

OBatuque.com - Como você avalia a compra de um samba em detrimento da ala de compositores?
Rico Medeiros - Hoje e muito relativo. No meu tempo, quando eu era cantor e trabalhava na ala de compositores do samba, chegava um candidato pedindo ao presidente pra ser compositor da escola, ele dava um papel e uma caneta e mandava o cara escrever o samba na hora. Aquele que pelo menos fizesse três estrofes tinha uma chance na agremiação. Hoje virou comércio qualquer um pode ser compositor é quem dá mais.

OBatuque.com - Fale-me sobre o Acadêmicos da Pedreira, escola de samba de Belém do Pará aonde você canta a mais de 30 anos?
Rico Medeiros - Eu canto no Acadêmicos da Pedreira desde 1982. Então, todo o fim de ano eu viajava para desfilar na escola, até porque o carnaval de lá ocorre uma semana antes do nosso. Tive a felicidade de ser campeão pela Vermelha e Branca, se não me falha a memória, umas quatro ou cinco vezes, e no desfile de 2019 marcou o meu retorno e também da agremiação ao carnaval de Belém, depois de dez anos fora da avenida. Agradeço ao presidente Waldir Fiock (Rudar), onde eu tenho um enorme carinho e respeito pela sua pessoa, aos componentes e principalmente ao povo da Travessa Timbó, do Bairro Pedreira que sempre me apoiou desde o início e pretendo encerrar a minha carreira de intérprete no Acadêmicos da Pedreira, escola que eu amo em Belém do Pará.

Itens relacionados (por tag)

  • Independente da Praça da Bandeira anuncia novos diretores na Ala de Passistas

    Por Luis Leite

    Fotos/Divulgação

    A Independente da Praça da Bandeira anunciou mais duas aquisições relevantes para o seu time visando o Carnaval 2021: Netinho Campos e Ranny Santos. Eles serão os novos coordenadores da Ala de Passistas. A dupla assume a direção da escola com o objetivo de renovar e adquirir novos talentos.

    76702436 1649757275166828 2850662277885984768 o

    O bom filho a casa torna

    Netinho começou sua trajetória no Bloco Carnavalesco Xavantes de São João de Meriti e após foi para Independente integrar a Ala de Passistas. Passou também pelas agremiações Pimpolhos da Grande Rio e Inocentes de Belford Roxo. Em 2019, foi eleito o melhor dançarino do concurso Brasil Samba Congress.  

    “Voltar à Independente da Praça da Bandeira como coordenador da Ala de Passistas é motivo de muito orgulho para mim, ainda mais ao lado da Ranny, uma vez que já desfilamos juntos e temos uma sincronia perfeita”, afirmou Netinho.

    IMG 20200408 WA0233

    Ranny Santos começou como passista na Inocentes de Belford Roxo, teve passagens pela São Clemente e Unidos da Ponte. Além disso, foi musa do G.R.E.S Alegria do Vilar e da Mocidade Unida do Santa Marta.

    “Estou muito feliz com essa nova função. A comunidade da escola pode esperar um ótimo desempenho da ala, pois força, garra e determinação para conduzir o nosso trabalho não faltarão. Juntamente com Netinho, faremos o impossível para vencermos esse desafio. Agradecemos ao presidente Fernando José pela oportunidade”, enfatizou Ranny.

  • Independente da Praça da Bandeira tem novos diretores de bateria

    Por Luis Leite

    O G.R.E.S Independente da Praça da Bandeira contratou Josué Lourenço e Jeferson Broa como novos diretores de bateria para reger o ritmo no Carnaval 2021.

    Prata da casa, Josué iniciou sua trajetória no samba em 2002, na Ala das Crianças, tendo desfilado como ritmista na Inocentes de Belford Roxo, Portela, Grande Rio, Imperatriz, Rocinha, Porto da Pedra, Paraíso do Tuiuti, Império Serrano entre outras.  Como mestre esteve à frente da bateria da Unidos da Ponte, Arame de Ricardo e Unidos de Vila Santa Tereza, em 2019.

     

    Filho de peixe, peixinho é

    Filho do mestre Geleia, Broa começou a tocar na bateria com 13 anos de idade.  Aos 16 ocupou a função de auxiliar seguindo o caminho de seu pai.  Passou também por diversas agremiações.  Sua estreia como diretor de bateria foi em 2014 pela Unidos da Ponte.  De 2017 a 2019, passou pela Unidos da Vila Santa Tereza, sob o comando de Josué, e 2020 à frente da bateria Terremoto da verde, azul e branco de São João de Meriti.

    A dupla pretende tocar projetos para formar jovens ritmistas e fortalecer a bateria da Independente.

  • Mocidade, Salgueiro e Beija-Flor são os destaques da segunda noite de desfiles na Sapucaí

    Por Luis Leite e Danndara Kyzy

    Fotos: Luis Leite

    A São Clemente abriu o segundo dia de desfiles do Grupo Especial, com toda sua irreverência e crítica com o enredo "O conto do Vigário", contando a história das malandragens e trambiques que ficaram famosos desde o período colonial.  

    A escola trouxe as vigarices tecnológicas como os golpes pelas redes sociais e as fake news (notícias falsas em inglês). O ator e comediante Marcelo Adnet, um dos compositores do samba, desfilou no quinto carro representando o presidente do Brasil, Jair Messias Bolsonaro. Durante a performance, Adnet jogou laranjas artificiais para o público, fez flexões de braço e simulou uma arma com as mãos. Na alegoria onde ele estava havia cartazes com frases como "tá ok?", a culpa é do Leonardo di Caprio" e "acabou a mamata".

    Sobre um elemento cenográfico, a comissão de frente narrou o duelo entre dois vigários que dispultavam a imagem de uma santa amarrada no burrico pelas ruas de Ouro Preto.

    DSC 0135

    O quarto carro vende-se um pedacinho do céu, representa o lobo em pele de cordeiro que oculta suas intenções financeiras por detrás da capa de homem santo no intuito de enganar o povo.

    DSC 0090

    A ala de baianas representou mães de santo modernas que prometem trazer o amor perdido de volta em três dias.

    DSC 0079

    Garrafadas milagrosas, a mágica de cura.

    DSC 0195

    Tem marajá puxando férias em Bangu

    Referência às regalias no cárcere de políticos que vivem como estivessem de férias.

    DSC 0242

    Disciplinada, a bateria comandada por mestre Caliquinho desfilou vestida de laranjal, fazendo alusão às falcatruas cometidas pelos políticos brasileiros.  Com fantasias divertidas, um dos destaques foi a última ala "A grávida de Taubaté", que faz menção à mulher que mentiu sobre gestar quadrigêmeos em um programa de TV, com uma falsa barriga gigante.

    No quesito evolução, a Amarelo e Preto de Botafogo passou bem, veio leve e solta brincando na avenida sem cometer nenhum percalço.

    DSC 0260

    A Unidos de Vila Isabel, a segunda a passar pela avenida, homenageou os 60 anos de Brasília, com uma lenda indígena no tema "Gigante pela própria natureza: Jaçanã e um índio chamado Brasil", no qual a capital federal nasceu para levar as esperanças aos povos das terras, onde vive o pequeno curumim. Com carros alegóricos imponentes e fantasias volumosas ricas em detalhes, a escola transmitiu um enredo claro de extremo bom gosto. O grande destaque foi a bateria, comandada pelo mestre Macaco Branco, que fez várias paradinhas ao longo da avenida.

    A comissão de frente coreografaram os indíginas se transformando em tigres guerreiros.

    DSC 0266

    Ala das baianas, caldeirão de brasilidade

    portaldoholanda 970715 imagem foto 1amazonas

    Fantasiada de colombina, Aline Riscado marcou sua estreia como rainha de bateria, substituindo Sabrina Sato que deixou o posto depois de nove anos e desfilou à frente da escola como rainha da Azul e Branco, acompanhada pelo presidente de honra Martinho da Vila.

    SABRINA SATO NA VILA ISABEL 1 copiar

    DSC 0458

    Último carro, Brasília jóia rara prometida.

    88009078 3036363219716660 5597265473944158208 n

    Salgueiro transforma a Sapucaí em um tremendo picadeiro a céu aberto

    O Acadêmicos do Salgueiro pedi passagem e arma o seu circo na avenida. Com o enredo “O Rei Negro do Picadeiro”, a Vermelho e Branco narrou a história de Benjamin de Oliveira, o primeiro palhaço negro do Brasil, morto em 1954. A comissão de frente encantou o público com técnicas de ilusionismo.

    DSC 0690

    A atriz Erika Januza veio fantasiada de arlequina.

    DSC 0729

    Apesar do samba não empolgar as arquibancadas, faltou alegria de alguns componentes. A escola pode perder alguns décimos em evolução, devido a alguns buracos formados entre as alas.  Além de muita criatividade, na plástica as fantasias e alegorias estavam impecáveis com cores vibrantes de fácil leitura.  O destaque porém ficou para o último carro que trouxe a escultura de Benjamim, onde a máscara branca deu lugar ao rosto negro.

    IMG 6236

    A soberana rainha de bateria Viviane Araújo, desfilou fantasiada de cigana esbanjando sua boa forma com muito samba no pé.

    DSC 0840

    Carro abre-alas retrata a construção do Cristo Redentor

    De volta a Unidos da Tijuca, o carnavalesco Paulo Barros que prometia muitas surpresas, levou para a Sapucaí o enredo "Onde Moram os sonhos", que retrata a história da arquitetura e urbanismo do Rio, desde as primeiras construções no Egito até as megacidades atuais.  A agremiação também falou da poluição que destrói o meio ambiente, colocando em perigo o presente e o futuro da humanidade.

    Celebrando o arquiteto Leonardo da Vinci: a comissão de frente veio com dançarinos de macacão, com luzes de led que deveriam acender de forma sincronizada, o que não aconteceu. O fato ocorreu em frente ao módulo de julgadores. Quanto à parte estética, a escola ficou devendo, com alguns pontos negativos em fantasias e alegorias, que se mostraram mais simples do que o esperado.

    A ala das baianas representou a Catedral de Brasília, primeiro monumento projetada por Oscar Niemeyer.

    Destaque para a ala de passistas que representou o cotidiano de quem procura sobreviver numa cidade desigual.

    DSC 0804

    Estreando com rainha de bateria na escola, a cantora Lexa desequilibrou e caiu no meio da avenida. No entanto, a funkeira não perdeu a majestade, rapidamente se levantou e continuou a sambar. A pista estava molhada devido a chuva que caiu mais cedo.

    Elza Deusa Soares, essa nega tem poder

    A penúltima escola a se apresentar na Marquês de Sapucaí, a Mocidade Independente de Padre Miguel fez um tributo a cantora Elza Soares, contando sua história de vida e artística desde o momento em que explodiu para fama: no show de calouros do apresentador e compositor Ary Barroso.

    A comissão de frente mostrou a infância pobre de Elza, nos tempos em que ela carregava latas de àgua na cabeça.

    DSC 0890 Cópia

    Minha fé! Sincretismo religioso da cantora.

    DSC 0931

    Ala das baianas, Elza canta Mãe Menininha do Gantois.

    DSC 0975 Cópia

    Quarto carro: o circo da vida mas é dura na queda, trouxe uma pantera negra, símbolo da resistência contra a opressão.

    DSC 0019

    A Verde e Branco de Vila Vintém fez um desfile empolgante, tendo como ponto alto o canto forte da comunidade.  Apesar do bom samba e a beleza no desenvolvimento do enredo, a escola apresentou algumas irregularidades em alegorias e adereços, onde era perceptível falhas de acabamento em alguns carros. Elza desfilou no último carro, intensamente ovacionada pela plateia.

    DSC 0190

    Fechando o desfile de segunda-feira do Grupo Especial, a Beija-Flor de Nilópolis veio para tentar se reerguer depois de um amargo 11° lugar no ano passado. Com o enredo "Se Essa Rua Fosse Minha", a escola narrou a história da evolução do homem no que se refere às suas histórias mais antigas de criar e seguir caminhos e ruas.  

    daniel

    Segura o povo, que o povo é o dono da rua

    A comissão de frente no estilo Mad Max, interpretou o encontro de grupos de gangues rivais em um ferro velho disputando o domínio sobre as ruas.  Nesse embate, chegam as Pombagiras, que trazem para esta dimensão a mensagem de Exu, o verdadeiro dono do lugar.

    O casal de mestre-sala e porta-bandeira, formando por Selminha Sorriso e Claudinho, que comemora este ano bodas de prata, caracterizados de Sol demonstrou muita elegância no sincronismo.

    Representando Xica da Silva, a cantora de funk Jojo Todynho desfilou com os seios de fora na Sapucaí.

    DSC 0145

    DSC 0265

    A fé me guia!

    O quarto carro trouxe um altar em consagração à Virgem Maria do estilo barroco com 20 metros de altura.

    Com um desfile grandioso e impactante, a escola levantou as arquibancadas desde o primeiro momento, porém acabou tendo problemas com a colocação dos destaques no último carro alegórico o que fez com que acelerasse o andamento, comprometendo a evolução e por poucos segundos não ultrapassou o tempo de desfile.

     

 

 

Entrevistas

Cantor e compositor Rico Medeiros: "Nossa Senhora!"

Cantor e compositor...

Por Luis Leite Nascido em Niterói, Nilzo Medeiros, popularmente conhecido como...

Luiz Carlos Bruno: “Quero voltar a trabalhar para fechar o portão com sabor de dever realizado”

Luiz Carlos Bruno:...

Por Ricardo MaiaFotos: arquivo pessoal A paixão de Luiz Carlos Bruno...

Juarez Carvalho, o Titio das baianas da Tijuca

Juarez Carvalho, o...

Por Ricardo Maia Desde 1999 na Unidos da Tijuca, Juarez Carvalho...

Escolas Mirins

Samba de Raiz

Pagode

Carnaval pelo Brasil

Ex Panicat Tânia Oliveira é a nova Madrinha de Bateria da Acadêmicos do Tucuruvi

Ex Panicat Tânia Oliveira é a nova Madrinha de Bateria da Acadêmicos do Tucuruvi

Na noite deste sábado (23), a escola de samba Acadêmicos do Tucuruvi, abriu as ...

 

icone instagram

Book OBatuque

Extras

fotos

JoomShaper