Wip lojas

Móveis pelo menor preço! 
www.movelcasa.com.br
Parcele seus móveis em até 12x Sem Juros

http://templatesjoomla.com.br/
Templatee Joomla Profissional!
Templates a partir de R$ 9,90.

Ricardo Batalha do repique Destaque

Escrito por  Luis Leite
Publicado em Obatuque dos Ritmistas
Quinta, 23 Agosto 2018 22:50
Avalie este item
(4 votos)

Por Luis Leite

Fotos: Arquivo pessoal

Nascido e criado na Rocinha, Ricardo Batalha começou a tocar no bloco Império da Gávea com 13 anos de idade. O bloco se fundiu aos outros blocos Sangue Jovem e Unidos da Rocinha e com a fusão surgiu a escola de samba Acadêmicos da Rocinha. Com 49 anos, Ricardo mora em São Conrado e divide seu coração por duas escolas de samba: Mocidade independente de Padre Miguel e a própria Rocinha.

Na Acadêmicos da Rocinha deu seus primeiros passos também como ritmista, passando pelo cargo de diretor e depois como mestre de bateria, graças, segundo ele, a Marcos César, mais conhecido como Bolacha, que está até hoje na agremiação.

Seu primeiro instrumento foi a caixa de 12 polegadas, mas Ricardo se identificou com o repique. Com exceção do tamborim, ele toca todos os instrumentos e não gosta de falar sobre as bossas, porque de acordo com ele “cada mestre de bateria trabalha de uma forma e cada um deles tem a sua característica”. No entanto, a bateria ideal na sua opinião seria: 12 marcações de 26, 12 marcações de 24, 14 marcações de 18, 24 chocalhos, 28 cuícas, 30 tamborins, 24 repiques e 90 caixas.

IMG 20180815 WA0020Batalha já desfilou como ritmista na Unidos da Tijuca, Viradouro, Mocidade, Salgueiro, Acadêmicos do Cubango, União do Parque Curicica, Imperatriz, Beija Flor e União da Ilha. Como diretor, já desfilou pela Grande Rio ao lado dos mestres Odilon e Thiago Diogo. E foi justamente pela escola de Caxias que Ricardo aponta como impecável o desfile da bateria. Por outro lado, da bossa que ele não se esquece foi a paradinha do funk da Viradouro, em 1997. Ele estava lá e foi campeão com o mestre Jorjão.

Admirador dos mestres de baterias Odilon, Lolo, Caliquinho, Júnior, Marcão, Paulão e Rodney; e dos ritmistas do repique Jagunço, Vitinho, Waguinho, Jaguara e Celsinho, Batalha pede mais valorização para os ritmistas por parte das escolas de samba e por isso não projeta nada para o futuro em relação à função: “Projetos para o futuro em relação à profissão de ritmista é meio complicado falar sobre isso, mas tem muito ritmista por aí desvalorizado, eu acho que poderia ter uma ajuda de custo pela agremiação que ele faz parte. Eu tenho o meu trabalho em função de completar a minha renda familiar. Ritmista tem quer ser valorizado”.

Ler 1239 vezes Última modificação em Sexta, 24 Agosto 2018 21:23

 

 

Entrevistas

Cantor e compositor Rico Medeiros: "Nossa Senhora!"

Cantor e compositor...

Por Luis Leite Nascido em Niterói, Nilzo Medeiros, popularmente conhecido como...

Luiz Carlos Bruno: “Quero voltar a trabalhar para fechar o portão com sabor de dever realizado”

Luiz Carlos Bruno:...

Por Ricardo MaiaFotos: arquivo pessoal A paixão de Luiz Carlos Bruno...

Juarez Carvalho, o Titio das baianas da Tijuca

Juarez Carvalho, o...

Por Ricardo Maia Desde 1999 na Unidos da Tijuca, Juarez Carvalho...

Escolas Mirins

Samba de Raiz

Pagode

Carnaval pelo Brasil

Ex Panicat Tânia Oliveira posa para o Carnaval e fala sobre ansiedade

Ex Panicat Tânia Oliveira posa para o Carnaval e fala sobre ansiedade

Faltando exatos seis dias para o início do desfile do Carnaval Paulistano, na manh&at...

 

icone instagram

Book OBatuque

Extras

fotos

JoomShaper