Wip lojas

Móveis pelo menor preço! 
www.movelcasa.com.br
Parcele seus móveis em até 12x Sem Juros

http://templatesjoomla.com.br/
Templatee Joomla Profissional!
Templates a partir de R$ 9,90.

Carlos Alberto, o Mancha do Xequerê Destaque

Escrito por  Luis Leite
Publicado em Obatuque dos Ritmistas
Sexta, 27 Abril 2018 08:35
Avalie este item
(0 votos)

Por Luis Leite

Fotos: Arquivo pessoal

Cria da Cruzada São Sebastião, no Leblon, Carlos Alberto Félix de Oliveira, carinhosamente chamado de Mancha do Xequerê, reside no Centro do Rio de Janeiro. Hoje, aos 51 anos, o Mancha é formado em técnico de prótese dentária, no entanto, foi no bloco Baba do Quiabo - que mais tarde se tornaria Unidos do Leblon -, nos anos 70, que o salgueirense percebeu o dom para ser um ritmistas de uma escola de samba, e o primeiro instrumento que ele teve contato foi com o chocalho.

IMG 20180409 WA0017Os primeiros passos numa escola de samba foram com o saudoso mestre Marçal, na Unidos da Tijuca. Atualmente, apesar de tocar todos os instrumentos, segundo ele, o xequerê é a peça que ele mais gosta, e com ele já desfilou por diversas escolas de samba. Somente no o carnaval deste ano, Carlos saiu na Império da Tijuca, Porto da pedra, Viradouro, Grande Rio, Tijuca, União da Ilha e Imperatriz.

“Comecei na Unidos da Tijuca, com o mestre Marçal (1930-1994), onde desfilo até hoje. Além dela, também desfilei pela Rocinha, Império da Tijuca, Viradouro, Imperatriz Leopoldinense, Salgueiro, União da ilha, Porto da pedra, Cubango, Vila Isabel, Grande Rio, Unidos de Belford Roxo, São clemente e Renascer de Jacarepaguá”, conta Carlos, orgulhoso.

Para Carlos, as bossas são essenciais, desde que não sejam muitas, entretanto, apesar de ter uma vasta experiência como ritmista, aponta a paradinha da União da Ilha deste ano, na mão do seu mestre preferido, o Ciça, como a melhor bossa que ele participou.

De acordo com Carlos, a formação atual das baterias está ótima, todavia ele sente falta dos taróis. “Se eu fosse mestre, a formação da bateria seria parecido com as que é hoje, mas colocaria mais repique e voltaria com o tarol, que está sumido”.

IMG 20180409 WA0019Admirador de China, do Salgueiro; Vitinho, filho do mestre Paulinho; e Waguinho, do Batuque Digital, Carlos pretende dar continuidade à sua vida de ritmista, se atualizando e se aprimorando, contudo faz uma alerta: “Meu projeto é continuar tocando e me atualizando a cada ano. Acho que os ritmistas, assim como todos os componentes deveriam ser mais valorizados e respeitados pela direção das agremiações, já que uma escola de samba não se faz sem material humano”.

Ler 393 vezes Última modificação em Quinta, 16 Agosto 2018 09:28

Deixe um comentário

 

 

Entrevistas

Zezinho Martinez: “As escolas juntas seriam muito mais fortes”

Zezinho Martinez: “As...

Por Vander Fructuoso O presidente da Liga das Escolas de Samba...

Marcelinho Emoção explica a venda de 13 alas comerciais na Vila

Marcelinho Emoção explica...

Por Ricardo MaiaFoto: Eduardo Hollanda Nos últimos anos, as escolas...

Ciganerey: do Engenho da Rainha para a Estação Primeira

Ciganerey: do Engenho...

Equipe OBatuque.comFotos: Marcelo Moura O nome de batismo é Paulo...

Escolas Mirins

Samba de Raiz

Pagode

Blocos

Carnaval pelo Brasil

 

Book OBatuque

Extras

fotos

JoomShaper