Wip lojas

Móveis pelo menor preço! 
www.movelcasa.com.br
Parcele seus móveis em até 12x Sem Juros

http://templatesjoomla.com.br/
Templatee Joomla Profissional!
Templates a partir de R$ 9,90.

O carnaval em 2017 Destaque

Publicado em Artigos
Terça, 26 Dezembro 2017 11:41

Por Aloisio Villar 

Chegamos ao fim do ano, um ano esquisito demais para o carnaval.

Começou de uma forma normal, como todos os anos, com os ensaios técnicos na Marquês de Sapucaí... Alguns bons, outros não, mas servindo, principalmente, como preparativos para as escolas; treinos para seus desfiles e para o povo ficar perto da sua escola do coração. A festa mais democrática do samba!

Mas algo estava esquisito. Os desfiles oficiais começaram com o acidente da porta-bandeira da Unidos de Padre Miguel que fazia um desfile para campeonato na Série A, e depois passou para o mais acidentado desfile do Grupo Especial em anos.

Não tivemos desfiles perfeitos, todos tiveram algum tipo de problema, mas os problemas foram sobressaindo e ganhando contornos trágicos com acidentes nos desfiles do Paraíso do Tuiuti e Unidos da Tijuca.

Com os desfiles problemáticos das outras agremiações, a Tijuca entrou na avenida mais favorita do que nunca. Saiu da avenida com o mais problemático dos desfiles. O acidente com um carro fez com que o desfile "fosse pro ralo", virando um desastre, ao ponto de, favorita ao título, passar a ser favorita ao rebaixamento. Nada deu certo no desfile tijucano.

Pior foi o acidente no desfile do Tuiuti. Um carro alegórico prensou jornalistas na grade e daí pessoas pararam em hospitais. Pior: a querida Liza Carioca faleceu em razão desse acidente. Desfile de carnaval, um momento feito para nossa alegria, satisfação, momento de fantasia e cultural acabou em morte.

Morte que acabou impune. Nada aconteceu com ninguém, nenhum dos responsáveis, e o acidente vai caindo no esquecimento cretino que tragédias brasileiras costumam perecer. Não houve rebaixamento devido aos acidentes, e as duas escolas que tiveram desfiles problemáticos receberam o prêmio de permanecerem no Grupo Especial. Tudo acabou em samba, pizza e canetada.

As únicas coisas boas que ocorreram no carnaval foram as vitórias de Império Serrano e da Portela. Império voltando ao Grupo Especial depois de nove anos, Portela depois de 33 anos alcançando o sonhado vigésimo segundo título. Madureira parou para celebrar. Voltava a ser a capital do samba.

Mas o trágico Carnaval 2017 teimava em não acabar, enquanto existia uma inusitada dança das cadeiras, que tirou Renato Lage do Salgueiro, depois de anos, e levou Rosa Magalhães para a Portela, depois do campeão Paulo Barros migrar para a Vila Isabel, e o resultado foi modificado. 

Um erro comprovado de um jurado deu à Mocidade o título de 2017, dividido com a Portela. Justo pelo desfile que a Mocidade fez; justo pelo samba espetacular ganhar alcunha de campeão do carnaval; justo que a escola não podia ser prejudicada; ruim por ver o resultado ser modificado tanto tempo depois; ruim pela Mocidade não ter podido comemorar seu título no fim da apuração. A partir de agora, não teremos mais certeza de que o resultado será mantido na Quarta-Feira de Cinzas.

Tanta bagunça, tanta confusão acabou dando no pior. A autossuficiência do carnaval carioca, que sempre se achou acima do bem e do mal, acima de todos e que poderia fazer o que quisesse, fez com que os dirigentes apoiassem e ajudassem a eleger aquele que seria seu maior algoz. Marcelo Crivella, em campanha, cantou o samba do Salgueiro e teve seu nome exaltado pela presidente da escola em quadra, recebeu apoio maciço daqueles que comandam o desfile, e meses depois, já eleito, cortou verba das escolas.

Não só cortou como atrasou o pagamento. As escolas de samba do Rio se viram sozinhas porque não tiveram apoio popular. Seus barracões foram fechados, e até agora não se tem solução para a Série A e o desfile da Intendente Magalhães. Dizem que várias escolas da Intendente podem desaparecer com as medidas do prefeito. Mas isso é o de menos, porque a própria organização que regula esses desfiles já desapareceu com várias delas em 2017.

O que ocorreu de novidade nessa briga com o poder oficial, é que vários enredos e sambas de protestos foram feitos como nos anos 80. Destaco o samba da Beija-Flor, que é maravilhoso em sua crítica e contundência. É uma pena que as escolas só decidam ir para essa seara quando mexem no seu bolso, capaz de um dia exaltarem o Crivella caso ele aumente a subvenção.

E os ensaios técnicos, aqueles que falei no início do artigo, não existem mais por falta de dinheiro, pelo menos este ano. Ocorreu o que sempre ocorre, e o que ocorreu no ano todo de 2017, com decisões de gabinetes e irresponsabilidade na pista. Sobrou para o povo.

Não temos muito a celebrar o carnaval em 2017, todavia 2018 está aí, e fica a torcida de um ano melhor. Um ano principalmente de respeito ao sambista, e que esse respeito venha de todos os lados, inclusive do próprio sambista.

Feliz 2018!!

Twitter - @aloisiovillar 

Facebook - Aloisio Villar 

Deixe um comentário

 

 

Entrevistas

Zezinho Martinez: “As escolas juntas seriam muito mais fortes”

Zezinho Martinez: “As...

Por Vander Fructuoso O presidente da Liga das Escolas de Samba...

Marcelinho Emoção explica a venda de 13 alas comerciais na Vila

Marcelinho Emoção explica...

Por Ricardo MaiaFoto: Eduardo Hollanda Nos últimos anos, as escolas...

Ciganerey: do Engenho da Rainha para a Estação Primeira

Ciganerey: do Engenho...

Equipe OBatuque.comFotos: Marcelo Moura O nome de batismo é Paulo...

Escolas Mirins

Samba de Raiz

Pagode

Blocos

Carnaval pelo Brasil

Tucuruvi anuncia André Oliveira como coreógrafo da Comissão de Frente

Tucuruvi anuncia André Oliveira como coreógrafo da Comissão de Frente

Foto: Renato Cipriano A escola de samba Acadêmicos do Tucuruvi, do Grupo Especial do carn...

 

Book OBatuque

Extras

fotos

JoomShaper