Wip lojas

Móveis pelo menor preço! 
www.movelcasa.com.br
Parcele seus móveis em até 12x Sem Juros

http://templatesjoomla.com.br/
Templatee Joomla Profissional!
Templates a partir de R$ 9,90.

Cuidado! Artista também entra em zona de conforto

Publicado em Artigos
Quarta, 31 Maio 2017 07:04

Por Ricardo Maia

O artista é um ser que apresenta uma atitude criadora constante e um desejo de surpreender as pessoas. Sucumbindo a essa vontade de encontrar beleza em todas as formas que o cerca, ele busca incansavelmente nas suas observações e pesquisas, materiais e concepções novas.

Mas os artistas também precisam de apoio, motivação e incentivo para que a sua veia criativa possa pulsar mais forte. Não raramente, essas pessoas são bastante desprendidas de bens materiais e muitas vezes encontram grandes dificuldades de administrar até mesmo sua vida pessoal. Trabalham e inventam, não pelo dinheiro, mas pela vontade compulsiva de criar. Diante dessa situação, recorrem a pessoas próximas e companheiros para desempenhar esse papel de administrador, enquanto o seu talento se volta exclusivamente para a criação.

No cotidiano, vivemos diversas vezes a mesma situação. Quem nunca se sentiu desmotivado quando pensa em usar aquele supervestido para um evento e o seu companheiro fala: “Coloca só uma calça jeans e uma camiseta que já tá bom”? Ou quando vai fazer aquele almoço maravilhoso e escuta um "faz só um macarrãozinho"!  Muito desmotivador, não é mesmo?

No carnaval não é nada diferente. O carnavalesco quando imagina o enredo ou quando senta na sua prancheta para passar o carnaval para o papel, pensa única e exclusivamente em surpreender. Já ouvi de alguns carnavalescos que o importante é passar na avenida e ouvir o público gritando "já ganhou". Mais importante que ser campeão.

Nunca ouvi de um carnavalesco que tenha um baita enredo na cabeça dizer que iria vendê-lo para uma grande escola e ficar rico. Todos pensam unicamente em como sua ideia vai balançar a avenida.

“Se tiver que escolher entre o público de pé gritando ou de ser campeão, com certeza escolherei o primeiro. Passar ovacionado pela plateia é muito melhor que levar o título com a arquibancada sentada, fria, assistindo ao meu desfile.” Assim afirma a maioria deles.

Mas para que tudo isso aconteça o profissional depende de uma série de fatores, que começam do seu momento pessoal até a vontade da escola que o contratou de fazer alguma coisa diferente.

Afirmo isso porque algumas escolas se colocam em uma posição de conforto, onde está sempre fazendo o mesmo, e se colocando no meio do grupo. Não é campeã, mas também não corre o risco de descer. Algo cômodo e econômico. Repetimos o que fizemos no ano passado e continuamos no grupo. Esse é o objetivo.

Mas e o lado dos diversos artistas que rodeiam essa escola?! E a função da agremiação de apresentar todo ano a arte, o novo, o lindo, o contemporâneo, a voz da sua comunidade?!

Por uns anos isso é aceito, mas logo tomará um dos dois rumos. Ou o artista se cansa e vai para novos ares ou se acomoda e entra na mesma zona de conforto onde não cria nada novo, não busca materiais e técnicas novas, não surpreende mais ninguém e não ganha o carnaval. Mas também não erra! Perde poucos pontos e se mantém no grupo...

Com o passar dos anos de repetição, essa fórmula vira "a cara" do carnavalesco e da escola. Cada vez mais entranhada nos fundamentos da agremiação, tornando-se mais difícil se livrar desse conforto. Sim parece estranho, mas é preciso desse desprendimento quando falamos de arte.

Visando o lado do artista, aquele que se acomoda nessa posição fatalmente perderá o “tesão” pelo negócio e ficará quase que robotizado, repetindo as suas criações e vivendo sem graça pelo dinheiro. Logo ele perderá a alegria de criar, consequentemente não tentará inovar, ficará na mesmice por um tempo, quando aí estará ultrapassado e antiquado. E assim será jogado na sarjeta por todo o meio que o criou. Talvez seja tarde demais para esse artista. Sentirá o desgosto do desprezo e do esquecimento; alguns poucos ainda poderão virar páginas de livros.

Na verdade, o carnavalesco precisa reinventar-se, perceber o seu tempo, voltar a querer fazer o diferente. Sem abandonar suas características, fazer o seu carnaval ser a notícia do dia seguinte. Voltar a explodir a Sapucaí, levantar o público, sair carregado nos braços da comunidade.  A avenida quer ser sacudida, a televisão quer ver a avenida pulsar, os jornais querem fotografar o publico de pé, e nós queremos desfilar, sentindo as pessoas com vontade de pular na pista.

Mas em uma escola que não quer fazer, isso se torna quase impossível e leva o desejo desse criador de querer buscar novos ares, voar por outros céus, pois a veia que pulsa com a vontade de fazer sempre o novo é forte o bastante e os artistas, de todas as idades, querem sempre trazer para o público as ideias que passam compulsivamente por suas cabeças.

O que tento alertar nesse artigo é o perigo que essa zona de conforto representa para a escola e principalmente para os artistas criadores dela. Puxei bastante para a plástica do desfile, porém entendo que essa zona de conforto pode "abraçar" compositores, coreógrafos, figurinistas e tantos outros. Leva a escola e se tornar uma chata diante do público e derruba não só a carreira profissional do artista, pode acabar com a essência principal que ele tem pela vida: a vontade de criar! 

Última modificação em Quinta, 08 Junho 2017 17:29

Deixe um comentário

 

 

Entrevistas

Zezinho Martinez: “As escolas juntas seriam muito mais fortes”

Zezinho Martinez: “As...

Por Vander Fructuoso O presidente da Liga das Escolas de Samba...

Marcelinho Emoção explica a venda de 13 alas comerciais na Vila

Marcelinho Emoção explica...

Por Ricardo MaiaFoto: Eduardo Hollanda Nos últimos anos, as escolas...

Ciganerey: do Engenho da Rainha para a Estação Primeira

Ciganerey: do Engenho...

Equipe OBatuque.comFotos: Marcelo Moura O nome de batismo é Paulo...

Escolas Mirins

Samba de Raiz

Pagode

Blocos

Carnaval pelo Brasil

Tucuruvi anuncia André Oliveira como coreógrafo da Comissão de Frente

Tucuruvi anuncia André Oliveira como coreógrafo da Comissão de Frente

Foto: Renato Cipriano A escola de samba Acadêmicos do Tucuruvi, do Grupo Especial do carn...

 

Book OBatuque

Extras

fotos

JoomShaper