Wip lojas

Móveis pelo menor preço! 
www.movelcasa.com.br
Parcele seus móveis em até 12x Sem Juros

http://templatesjoomla.com.br/
Templatee Joomla Profissional!
Templates a partir de R$ 9,90.

Rodrigo Avellar é o novo coreógrafo da comissão de frente do Império Gonçalense

Publicado em Série E
Domingo, 16 Abril 2017 06:17

Foto: Adriana Vieira

O Império Gonçalense, que será a décima terceira escola a desfilar pela Série E no Carnaval de 2018, acaba de anunciar a contratação de Rodrigo Avellar para ser o novo coreógrafo da comissão de frente da azul e branca de São Gonçalo. 

Rodrigo Avellar começou no Carnaval desfilando em diversas comissões de frente, trabalhou com vários coreógrafos como Ana Botafogo, Helio Bejani, Marcelo Missailidis, Paulo Mantuano, Sergio Lobato, Claudia Mota, e Carlinhos de Jesus. 

Ele é formado em Hip Hop, Jazz, possui experiência em Ballet Clássico e Afro Dance, tendo participado de diversas companhias de dança do país, além de programas de TV.

 "Aceitei e agradeço o convite do presidente Hugo Júnior. Quero realizar um bom trabalho e ajudar a escola a chegar ao título da Série E. Estarei em breve definindo a minha equipe de trabalho rumo ao Carnaval de 2018", salientou.

Ele foi também coreógrafo de alas, alegoria e da comissão de frente mirim da Mocidade Independente de Padre Miguel. Além disso, foi responsável pela coreografia de alguns casais de mestre-sala e porta-bandeira das escolas de samba Mocidade Independente de Padre Miguel, Acadêmicos do Grande Rio e Paraíso do Tuiuti. Passou ainda por comissões de frente como bailarino e assistente na Unidos de Vila Isabel, Mocidade Independente de Padre Miguel, Acadêmicos do Salgueiro e Unidos do Viradouro.

Última modificação em Terça, 02 Maio 2017 15:49

Itens relacionados (por tag)

  • Mara Maciel é o novo reforço do Império Gonçalense

    O Império Gonçalense acaba de anunciar o reforço de Mara Maciel para comandar a Direção de Marketing da agremiação. Mara Maciel teve passagens pelos departamentos das co-irmãs Acadêmicos do Cubango e Unidos do Porto da Pedra.

    "Será um grande desafio e uma honra fazer parte desse projeto, o município de São Gonçalo certamente terá bastante orgulho dessa nova e grande agremiação", disse Mara Maciel.

    O Império Gonçalense será a décima terceira escola a desfilar pela Série E da Liesb, no Carnaval de 2018, na Estrada Intendente Magalhães.

  • Presidente da Ilha contesta repasse da prefeitura às escolas do Grupo Especial

    Em reunião realizada neste sábado, na quadra da União da Ilha do Governador, que contou com presença de todos os segmentos da escola, o presidente Ney Filardi levou ao conhecimento de todos a posição do prefeito Marcelo Crivella, em reduzir a subvenção de R$ 2 milhões para 1 milhão às escolas de samba do Grupo Especial.

    Ney enfatizou que as agremiações vêm sofrendo grandes perdas financeiras:

    - O governo federal em nada contribui para o carnaval e a Petrobras cortou a verba (R$ 1 milhão), que dava para cada escola do grupo especial. O governo estadual também não ajuda. A vendagem de ingressos já não é mais a mesma. Arquibancadas e frisas não sofrem um reajuste há mais de cinco anos. O repasse da Rede Globo se dá através de vendagens de cotas (valores variados). E os impostos, taxas e salários não param de aumentar, bem como, a compra de materiais (cola, madeira, isopor...) - afirmou.

    - Vale frisar, que as escolas de samba mantém seus barracões e suas quadras abertas o ano todo. Isso gera despesa! E agora, com a notícia do prefeito do corte de verba oriundo da prefeitura, impossibilita das escolas irem para avenida de maneira digna. A União da Ilha, por exemplo, mantém cursos e oficinas para passistas, ritmistas, mestres-salas e porta-bandeiras o ano inteiro. Como sustentar todas essas atividades com menos dinheiro? - indagou Ney.

    O presidente Ney FIlardi passou para os segmentos da escola que, em caso de redução desses 50%, ou seja, menos 1 milhão, a agremiação não irá desfilar no próximo ano:

    - Se esse corte realmente acontecer, peço desculpas antecipadamente, mas a União da Ilha não desfilará no carnaval de 2018 - alertou Ney, prometendo fazer de tudo para que os desfiles das escolas de samba não sofram outras baixas.

    - E as escolas mirins? Terão seus sonhos interrompidos? E a cultura? Deixará de ser amplamente cultura brasileira? Não será mais propagada, divulgada, para o mundo inteiro? - indagou.

    O presidente reconhece o momento de crise que o país vive. Por outro lado, não entende e não concorda com a posição da prefeitura:

    - Se o prefeito me dissesse: "Presidente, não vou dar dinheiro para a União da Ilha, porque preciso construir e reformar escolas e hospitais, além de garantir o pagamento salarial dos servidores do município”... Aí sim, eu entenderia! Mas o carnaval do Rio de Janeiro proporciona ganhos financeiros ao comércio, aos taxistas, as companhias aéreas, as agências de turismo, bares, vendedores, ambulantes credenciados, restaurantes, rede hoteleira, cervejarias e diversos outros beneficiários. Isto sem contar, com a alegria do povo. São 7 dias de folia, onde o rico se mistura com o pobre e vice-versa. Isto sem contar, que o "período de momo" gera uma entrada nos cofres do município de R$ 3 bilhões. E a prefeitura investe 60 milhões de reais. Matemática é uma ciência exata e isso gera um ganho real da prefeitura de 2 bilhões e 940 milhões Não são palavras minhas!. Esses dados foram recentemente veiculados na mídia e subscrita pela Riotur. Isto sem falar, que o nosso espetáculo é transmitido para mais de 200 países, dando assim, muita visibilidade ao município do RJ, relatou.

    - Diante do que foi explanado, a pergunta que fica: se o carnaval deixa um lucro bastante significativo e expressivo, porque a redução da verba? Esse assunto já foi conversado na Liesa e acredito que todas as escolas tenham a mesma posição - finalizou Ney com um pedido: "Prefeito, não deixe o samba morrer, não deixe o samba acabar".

  • Presidente da Ilha contesta repasse da prefeitura às escolas do Grupo Especial

    Em reunião realizada neste sábado, na quadra da União da Ilha do Governador, que contou com presença de todos os segmentos da escola, o presidente Ney Filardi levou ao conhecimento de todos a posição do prefeito Marcelo Crivella, em reduzir a subvenção de R$ 2 milhões para 1 milhão às escolas de samba do Grupo Especial.

    Ney enfatizou que as agremiações vêm sofrendo grandes perdas financeiras:

    - O governo federal em nada contribui para o carnaval e a Petrobras cortou a verba (R$ 1 milhão), que dava para cada escola do grupo especial. O governo estadual também não ajuda. A vendagem de ingressos já não é mais a mesma. Arquibancadas e frisas não sofrem um reajuste há mais de cinco anos. O repasse da Rede Globo se dá através de vendagens de cotas (valores variados). E os impostos, taxas e salários não param de aumentar, bem como, a compra de materiais (cola, madeira, isopor...) - afirmou.

    - Vale frisar, que as escolas de samba mantém seus barracões e suas quadras abertas o ano todo. Isso gera despesa! E agora, com a notícia do prefeito do corte de verba oriundo da prefeitura, impossibilita das escolas irem para avenida de maneira digna. A União da Ilha, por exemplo, mantém cursos e oficinas para passistas, ritmistas, mestres-salas e porta-bandeiras o ano inteiro. Como sustentar todas essas atividades com menos dinheiro? - indagou Ney.

    O presidente Ney FIlardi passou para os segmentos da escola que, em caso de redução desses 50%, ou seja, menos 1 milhão, a agremiação não irá desfilar no próximo ano:

    - Se esse corte realmente acontecer, peço desculpas antecipadamente, mas a União da Ilha não desfilará no carnaval de 2018 - alertou Ney, prometendo fazer de tudo para que os desfiles das escolas de samba não sofram outras baixas.

    - E as escolas mirins? Terão seus sonhos interrompidos? E a cultura? Deixará de ser amplamente cultura brasileira? Não será mais propagada, divulgada, para o mundo inteiro? - indagou.

    O presidente reconhece o momento de crise que o país vive. Por outro lado, não entende e não concorda com a posição da prefeitura:

    - Se o prefeito me dissesse: "Presidente, não vou dar dinheiro para a União da Ilha, porque preciso construir e reformar escolas e hospitais, além de garantir o pagamento salarial dos servidores do município”... Aí sim, eu entenderia! Mas o carnaval do Rio de Janeiro proporciona ganhos financeiros ao comércio, aos taxistas, as companhias aéreas, as agências de turismo, bares, vendedores, ambulantes credenciados, restaurantes, rede hoteleira, cervejarias e diversos outros beneficiários. Isto sem contar, com a alegria do povo. São 7 dias de folia, onde o rico se mistura com o pobre e vice-versa. Isto sem contar, que o "período de momo" gera uma entrada nos cofres do município de R$ 3 bilhões. E a prefeitura investe 60 milhões de reais. Matemática é uma ciência exata e isso gera um ganho real da prefeitura de 2 bilhões e 940 milhões Não são palavras minhas!. Esses dados foram recentemente veiculados na mídia e subscrita pela Riotur. Isto sem falar, que o nosso espetáculo é transmitido para mais de 200 países, dando assim, muita visibilidade ao município do RJ, relatou.

    - Diante do que foi explanado, a pergunta que fica: se o carnaval deixa um lucro bastante significativo e expressivo, porque a redução da verba? Esse assunto já foi conversado na Liesa e acredito que todas as escolas tenham a mesma posição - finalizou Ney com um pedido: "Prefeito, não deixe o samba morrer, não deixe o samba acabar".

Deixe um comentário

Enquete

O que achou do novo site?
  • Votos: 0%
  • Votos: 0%
  • Votos: 0%
  • Votos: 0%
  • Votos: 0%
Votos totais:
Primeiro voto:
Último voto:

 

 

Entrevistas

Marcelinho Emoção explica a venda de 13 alas comerciais na Vila

Marcelinho Emoção explica...

Por Ricardo MaiaFoto: Eduardo Hollanda Nos últimos anos, as escolas...

Ciganerey: do Engenho da Rainha para a Estação Primeira

Ciganerey: do Engenho...

Equipe OBatuque.comFotos: Marcelo Moura O nome de batismo é Paulo...

Felipe Lima deixa o Dendê e assume a voz do Amarelinho

Felipe Lima deixa...

Por Daniel DuarteFoto: presidente Marquinhos e Felipe Lima/arquivo pessoal Após...

Escolas Mirins

Samba de Raiz

Pagode

Carnaval pelo Brasil

 

Book OBatuque

Extras

fotos

JoomShaper