Wip lojas

Móveis pelo menor preço! 
www.movelcasa.com.br
Parcele seus móveis em até 12x Sem Juros

http://templatesjoomla.com.br/
Templatee Joomla Profissional!
Templates a partir de R$ 9,90.

Kawan Alcides e Waleska Gomes renovam com a Tucuruvi Destaque

Publicado em Últimas Notícias 1
Quinta, 06 Abril 2017 15:58

Foto: Renato Cipriano

Dando continuidade aos trabalhos para o ano que vem, o presidente Jamil, juntamente com a diretoria da Acadêmicos do Tucuruvi, anunciou a renovação da dupla Kawan Alcides e Waleska Gomes para formar o primeiro casal da escola.

"Estamos muito felizes, honrados e empenhados a fazermos o nosso melhor pelo nosso Pavilhão que é o dono do nosso coração. Só temos a agradecer ao presidente senhor Jamil, aos diretores e à nossa comunidade maravilhosa que nos deram muito apoio para esta conquista tão almejada!", comentou Kawan.

Itens relacionados (por tag)

  • Tucuruvi anuncia André Oliveira como coreógrafo da Comissão de Frente

    Foto: Renato Cipriano

    A escola de samba Acadêmicos do Tucuruvi, do Grupo Especial do carnaval de São Paulo, continua de vento em popa nos trabalhos rumo a 2019. Após anunciar a renovação do contrato do mestre Guma Sena, que segue para o seu quinto ano consecutivo no comando da Bateria do Zaca, e as contratações do carnavalesco Dione Leite e do intérprete oficial Leonardo Bessa, agora chegou a vez de anunciarmos mais um integrante fundamental em nossa família, o coreógrafo da Comissão de Frente.

    Trata-se de André Oliveira, que é profissional de educação física, ator e dançarino, sendo pós graduado em dança e consciência corporal, professor de danças urbanas e ritmos, além de professor de ginástica acrobática na rede pública de ensino e particular. Atualmente André está em cartaz com o musical infantil "O casamento da dona Baratinha".

    - Gratidão à minha família Tucuruvi! Depois de 5 anos de muita alegria e inesquecíveis carnavais ao lado da minha comunidade que me acolheu de braços abertos desde o primeiro dia, ser agraciado com essa responsabilidade só me faz crer que não houve sacrifícios e sim amor, pois tudo que fazemos com amor encontramos êxito. A dança me levou para a Tucuruvi e a mesma hoje me deu essa oportunidade que prometo honrar e trazer à nossa escola muitas conquistas – disse André.

  • Presidente da Ilha contesta repasse da prefeitura às escolas do Grupo Especial

    Em reunião realizada neste sábado, na quadra da União da Ilha do Governador, que contou com presença de todos os segmentos da escola, o presidente Ney Filardi levou ao conhecimento de todos a posição do prefeito Marcelo Crivella, em reduzir a subvenção de R$ 2 milhões para 1 milhão às escolas de samba do Grupo Especial.

    Ney enfatizou que as agremiações vêm sofrendo grandes perdas financeiras:

    - O governo federal em nada contribui para o carnaval e a Petrobras cortou a verba (R$ 1 milhão), que dava para cada escola do grupo especial. O governo estadual também não ajuda. A vendagem de ingressos já não é mais a mesma. Arquibancadas e frisas não sofrem um reajuste há mais de cinco anos. O repasse da Rede Globo se dá através de vendagens de cotas (valores variados). E os impostos, taxas e salários não param de aumentar, bem como, a compra de materiais (cola, madeira, isopor...) - afirmou.

    - Vale frisar, que as escolas de samba mantém seus barracões e suas quadras abertas o ano todo. Isso gera despesa! E agora, com a notícia do prefeito do corte de verba oriundo da prefeitura, impossibilita das escolas irem para avenida de maneira digna. A União da Ilha, por exemplo, mantém cursos e oficinas para passistas, ritmistas, mestres-salas e porta-bandeiras o ano inteiro. Como sustentar todas essas atividades com menos dinheiro? - indagou Ney.

    O presidente Ney FIlardi passou para os segmentos da escola que, em caso de redução desses 50%, ou seja, menos 1 milhão, a agremiação não irá desfilar no próximo ano:

    - Se esse corte realmente acontecer, peço desculpas antecipadamente, mas a União da Ilha não desfilará no carnaval de 2018 - alertou Ney, prometendo fazer de tudo para que os desfiles das escolas de samba não sofram outras baixas.

    - E as escolas mirins? Terão seus sonhos interrompidos? E a cultura? Deixará de ser amplamente cultura brasileira? Não será mais propagada, divulgada, para o mundo inteiro? - indagou.

    O presidente reconhece o momento de crise que o país vive. Por outro lado, não entende e não concorda com a posição da prefeitura:

    - Se o prefeito me dissesse: "Presidente, não vou dar dinheiro para a União da Ilha, porque preciso construir e reformar escolas e hospitais, além de garantir o pagamento salarial dos servidores do município”... Aí sim, eu entenderia! Mas o carnaval do Rio de Janeiro proporciona ganhos financeiros ao comércio, aos taxistas, as companhias aéreas, as agências de turismo, bares, vendedores, ambulantes credenciados, restaurantes, rede hoteleira, cervejarias e diversos outros beneficiários. Isto sem contar, com a alegria do povo. São 7 dias de folia, onde o rico se mistura com o pobre e vice-versa. Isto sem contar, que o "período de momo" gera uma entrada nos cofres do município de R$ 3 bilhões. E a prefeitura investe 60 milhões de reais. Matemática é uma ciência exata e isso gera um ganho real da prefeitura de 2 bilhões e 940 milhões Não são palavras minhas!. Esses dados foram recentemente veiculados na mídia e subscrita pela Riotur. Isto sem falar, que o nosso espetáculo é transmitido para mais de 200 países, dando assim, muita visibilidade ao município do RJ, relatou.

    - Diante do que foi explanado, a pergunta que fica: se o carnaval deixa um lucro bastante significativo e expressivo, porque a redução da verba? Esse assunto já foi conversado na Liesa e acredito que todas as escolas tenham a mesma posição - finalizou Ney com um pedido: "Prefeito, não deixe o samba morrer, não deixe o samba acabar".

  • Presidente da Ilha contesta repasse da prefeitura às escolas do Grupo Especial

    Em reunião realizada neste sábado, na quadra da União da Ilha do Governador, que contou com presença de todos os segmentos da escola, o presidente Ney Filardi levou ao conhecimento de todos a posição do prefeito Marcelo Crivella, em reduzir a subvenção de R$ 2 milhões para 1 milhão às escolas de samba do Grupo Especial.

    Ney enfatizou que as agremiações vêm sofrendo grandes perdas financeiras:

    - O governo federal em nada contribui para o carnaval e a Petrobras cortou a verba (R$ 1 milhão), que dava para cada escola do grupo especial. O governo estadual também não ajuda. A vendagem de ingressos já não é mais a mesma. Arquibancadas e frisas não sofrem um reajuste há mais de cinco anos. O repasse da Rede Globo se dá através de vendagens de cotas (valores variados). E os impostos, taxas e salários não param de aumentar, bem como, a compra de materiais (cola, madeira, isopor...) - afirmou.

    - Vale frisar, que as escolas de samba mantém seus barracões e suas quadras abertas o ano todo. Isso gera despesa! E agora, com a notícia do prefeito do corte de verba oriundo da prefeitura, impossibilita das escolas irem para avenida de maneira digna. A União da Ilha, por exemplo, mantém cursos e oficinas para passistas, ritmistas, mestres-salas e porta-bandeiras o ano inteiro. Como sustentar todas essas atividades com menos dinheiro? - indagou Ney.

    O presidente Ney FIlardi passou para os segmentos da escola que, em caso de redução desses 50%, ou seja, menos 1 milhão, a agremiação não irá desfilar no próximo ano:

    - Se esse corte realmente acontecer, peço desculpas antecipadamente, mas a União da Ilha não desfilará no carnaval de 2018 - alertou Ney, prometendo fazer de tudo para que os desfiles das escolas de samba não sofram outras baixas.

    - E as escolas mirins? Terão seus sonhos interrompidos? E a cultura? Deixará de ser amplamente cultura brasileira? Não será mais propagada, divulgada, para o mundo inteiro? - indagou.

    O presidente reconhece o momento de crise que o país vive. Por outro lado, não entende e não concorda com a posição da prefeitura:

    - Se o prefeito me dissesse: "Presidente, não vou dar dinheiro para a União da Ilha, porque preciso construir e reformar escolas e hospitais, além de garantir o pagamento salarial dos servidores do município”... Aí sim, eu entenderia! Mas o carnaval do Rio de Janeiro proporciona ganhos financeiros ao comércio, aos taxistas, as companhias aéreas, as agências de turismo, bares, vendedores, ambulantes credenciados, restaurantes, rede hoteleira, cervejarias e diversos outros beneficiários. Isto sem contar, com a alegria do povo. São 7 dias de folia, onde o rico se mistura com o pobre e vice-versa. Isto sem contar, que o "período de momo" gera uma entrada nos cofres do município de R$ 3 bilhões. E a prefeitura investe 60 milhões de reais. Matemática é uma ciência exata e isso gera um ganho real da prefeitura de 2 bilhões e 940 milhões Não são palavras minhas!. Esses dados foram recentemente veiculados na mídia e subscrita pela Riotur. Isto sem falar, que o nosso espetáculo é transmitido para mais de 200 países, dando assim, muita visibilidade ao município do RJ, relatou.

    - Diante do que foi explanado, a pergunta que fica: se o carnaval deixa um lucro bastante significativo e expressivo, porque a redução da verba? Esse assunto já foi conversado na Liesa e acredito que todas as escolas tenham a mesma posição - finalizou Ney com um pedido: "Prefeito, não deixe o samba morrer, não deixe o samba acabar".

Deixe um comentário

 

 

Entrevistas

Zezinho Martinez: “As escolas juntas seriam muito mais fortes”

Zezinho Martinez: “As...

Por Vander Fructuoso O presidente da Liga das Escolas de Samba...

Marcelinho Emoção explica a venda de 13 alas comerciais na Vila

Marcelinho Emoção explica...

Por Ricardo MaiaFoto: Eduardo Hollanda Nos últimos anos, as escolas...

Ciganerey: do Engenho da Rainha para a Estação Primeira

Ciganerey: do Engenho...

Equipe OBatuque.comFotos: Marcelo Moura O nome de batismo é Paulo...

Escolas Mirins

Samba de Raiz

Pagode

Blocos

Carnaval pelo Brasil

 

Book OBatuque

Extras

fotos

JoomShaper