Wip lojas

Móveis pelo menor preço! 
www.movelcasa.com.br
Parcele seus móveis em até 12x Sem Juros

http://templatesjoomla.com.br/
Templatee Joomla Profissional!
Templates a partir de R$ 9,90.

Marcus Vinícius desabafa: “A Alegria da Zona Sul merece respeito”

Publicado em Entrevistas

Por Wellington Lopes

Foto: arquivo pessoal/por Val DiOlyvera

 

Após a penúltima colocação na Série A, o presidente da Alegria da Zona Sul, Marcus Vinícius de Almeida, procurou nossa equipe de reportagem e em tom de desabafo fez severas críticas à Liga das Escolas de Samba do Rio de Janeiro (Lierj) por ter escolhido um corpo de jurados que, para ele, são pessoas desqualificadas e despreparadas para julgar o desfile das escolas de samba.

Marcus chega a propor a troca de bandeiras entre as escolas para que os julgadores passem a avaliar de forma mais correta os quesitos, já que na sua opinião os jurados atribuem notas pelo nome da agremiação e não pelo desfile em si, mesmo tendo sido, este ano, um julgamento comparativo, conforme fora anunciado durante uma reunião que antecedeu o carnaval.

E se comparativo era, o presidente disse ao OBatuque.com que exige uma explicação por ter lavado notas tão baixas, especialmente no quesito fantasia quando um jurado anotou 9.4 para a Alegria, enquanto outras escolas apresentaram o mesmo quesito, segundo ele ainda, muito aquém do que o grupo exigia, e com isso recebeu notas semelhantes às da Vermelho e Branco.

A indignação do dirigente é tanta que ele afirma não medir esforços para que a sua escola seja mais respeitada e propõe que a Lierj tome mais cuidado na hora de escolher seus julgadores, haja vista que a Liga é o órgão representativo das agremiações, e se ele, como gestor da Alegria, não pode reclamar e nem tenha o direito de falar, sugere que este então não seja mais um país democrático.

 

OBatuque.com – Você nos procurou para desabafar. O que houve de fato e o motivo do desabafo?
Marcus Vinícius
- O desabafo é em relação às notas, nós investimos muito neste carnaval. A Lierj tem culpa desde o momento em que ela coloca as pessoas para julgarem. Nós ficamos em 13º, com isso parece que fomos escolhidos para ficar nesta posição, porque não houve outra escola que foi tão prejudicada como a Alegria da Zona Sul. Isso é que está me doendo ainda mais. Eu sempre fui um cara que sempre se comportou ordeiramente, cordial, leal... Acho que não estão tendo consideração com a minha escola. Eu peço respeito com a minha escola. Ela tem uma história. Ela tem a comunidade dela: Pavão-Pavãozinho-Cantagalo, que é só a raiz. Então não é uma escola solta no mundo para as pessoas chegarem e pisarem nela. Três escolas, no mínimo, estavam bem piores que a gente. Escolas que parecem protegidas por eles lá. Tinha escola que não tinha fantasia, e outra com as fantasias todas iguais, as dos carros, da comissão de frente... Quem estava na Marquês de Sapucaí viu.

OBatuque.com – Um jurado atribuiu à fantasia da Alegria 9.4, como você analisa esse julgamento?
Marcus Vinícius
- Só tenho a lamentar. São pessoas completamente desqualificadas, despreparadas. Pessoas que nós não conhecemos. Pessoas que a gente não conhece nem do mundo do samba. Então um cara me dá 9.4 em fantasia, e teve escola, que nem fantasia tinha, entre aspas, recebe a mesma nota, demostra todo o dolo contra a nossa escola, entendeu?

OBatuque.com - Você acredita num suposto complô do corpo de jurados da Lierj ou da própria Lierj?
Marcus Vinícius - Eu não posso afirmar que a Lierj esteja prejudicando a escola propositalmente, mas acho muito estranho isso ser só com a Alegria. Ano passado, fizemos um enredo chamado Ogum e fomos aclamados pela crítica como um grande desfile, e a Alegria ficou em 10º lugar. Aí os mais experts no assunto disseram que as fantasias não estavam tão boas. Bom, se não estavam tão boas, então vamos investir. Troquei a comissão de frente, investimos em alegorias, fiz um carro acoplado lindíssimo, investi em iluminação, paguei um ateliê muito bom - o Tiago -, em Niterói. As fantasias chegaram com 20 dias de antecedência, todas elas bem-acabadas. Aí vem um cara e não gosta. Então era um lixo, um pano de chão a nossa fantasia. Eu acho que existe a culpa sim, porque se colocou pessoas incompetentes para julgarem. Estão julgando a bandeira. “Ah, é a Alegria da Sul. Pode botar eles lá embaixo, que eles não vão reclamar, não”. E outras escolas, que já passaram pelo Especial, nitidamente caindo aos pedaços. Se o carnaval, como bem os jurados falaram no dia da reunião, seria comparativo, então estão comparando a nossa escola com quem? Qual a escola de samba que eles chegaram à conclusão para dizer que a Alegria da Zona Sul era um lixo? Quer dizer: gastei aos extremos. Meus parceiros comerciais investiram absurdamente na escola. Só de iluminação eu gastei uma fortuna para acontecer isso. Não é só fantasia, são 9.5 em alegoria também. O Jorge Teixeira, que foi da Mocidade Independente de Padre Miguel, que foi um sucesso, era o nosso coreógrafo, foi martelado. Eu só peço respeito. Respeito com a minha escola, porque senão houver respeito com a minha escola, eu vou falar, eu vou à imprensa, eu vou até as últimas consequências, para defender o direito das pessoas que desfilam com a minha escola. O mais triste, é você olhar no semblante dos nossos componentes e ver a tristeza sem saber o que está acontecendo. Eu quero saber o que está acontecendo? Qual é o critério? Vamos fazer uma cartilha para saber qual é o critério para ser julgado e colocar isso tudo lá, porque a opinião pública poderia acompanhar dessa forma.

OBatuque.com – As escolas aprovaram o corpo de jurados, certo? Ou houve alguma agremiação contra a escolha?
Marcus Vinícius
- Teve uma reunião com os jurados, e cada escola poderia mandar um representante, e o meu diretor de Carnaval que participou, e ele me passou que o carnaval seria comparativo, ou seja, uma escola comparada à outra. Para você ver a discrepância, a Alegria fez as fantasias no mesmo lugar que a Viradouro fez as dela. Veja as notas da Viradouro e veja as notas da Alegria. Foi o mesmo ateliê, com a mesma qualidade. A escolha dos jurados é um critério que Lierj usa, ela tem que arcar com isso, eu tenho que cobrar dela, porque é ela que gere o nosso grupo. Eles estão até fazendo uma administração que alavancou a visibilidade do grupo, só que entre o primeiro e o décimo quarto lugares muita coisa acontece. Então, não é tipo: “Ah, está no grupo está bom. Está no meio está bom”. Para mim não está bom. Eu quero ser julgado direito. Tem uma passagem minha, em 2011, na época da Lesga (extinta Liga das Escolas de Samba do Grupo A), queriam que eu não entrasse na situação fogo, pois o barracão da Alegria havia sido incendiado. Eles queriam congelar o resultado do desfile. Eu falei na época, na Riotur, que se eu recebesse ajuda também, não tinha o porquê ficar buscando isso. Então eles me ajudaram, eu fiz o carnaval, a escola estourou o tempo, eu desci e fiquei na minha. Quando você erra, você tem que ficar na sua, tem que colocar a viola no saco e ficar quietinho. Agora, se eu ficar quieto, eu vou concordar com tudo que está sendo feito. Não tenho nada pessoal, não é nada contra ninguém, é contra o sistema que está me prejudicando, porque você perde o tesão e a vontade de fazer carnaval dessa forma. Eu vim de baixo, eu fui diretor de Carnaval, fui compositor, eu sou fundador também do Alegria da Zona Sul. Eu assinei ata de fundação da escola, que foi criada pela união Unidos do Cantagalo e Alegria de Copacabana. Então, não caí de paraquedas em lugar nenhum. Eu sou subtenente do Corpo de Bombeiro, eu não vivo do carnaval, vivo para o carnaval. Eu aprendi dentro do quartel, a questão de hierarquia e disciplina. Eu não tenho que concordar com uma situação dessas. Estou apenas cobrando o é o certo. Se é difícil fazer o certo, então muda a forma de gerir isso. Vamos trocar as bandeiras. Vamos trocar a bandeira da Alegria com a do Império Serrano, para ver se os jurados vão julgar da mesma forma. A impressão que dá é que o jurado não estava mais lá, parece que estava dormindo.

OBatuque.com – O que pode ser feito para melhorar esse panorama? Quais são os planos para o futuro da Alegria?
Marcus Vinícius - Eu peço que a Lierj tenha mais cuidado com isso. Não adianta me bater. A gente não vai se calar, né? Vou correr sempre atrás dos direitos da minha escola, dentro do contexto do carnaval. Já renovamos com o primeiro casal, o cantor e o diretor de bateria... Eu não tenho parâmetro para fazer uma avaliação do que foi o carnaval. Eu não posso sair trocando todo o mundo, porque eu seria incoerente. Se acho que eu fiz um grande desfile, e os jurados não viram, eu seria incoerente mandar todo o mundo embora, mas já estava acertado algumas mudanças na Direção de Carnaval, trazer gente nova que queira realmente trabalhar e vamos reforçar outros quadros da escola. A comissão de frente ainda está em aberto. Eu não sentei para conversar com o Jorge Teixeira. Mas a princípio é isso. A escola virá com mais garra. A Alegria está num viés de subida. Eu quero que eles entendam isso, que a liga está ali para atender aos anseios das escolas de samba que fazem parte. Se eu não tiver o direito de falar ou de reclamar, a gente não vive num país democrático.

 

Procurada, a Lierj disse que "as justificativas das notas do Carnaval 2017 serão divulgadas em breve através do site oficial". 

Itens relacionados (por tag)

  • Estácio promove ciclo de palestras em homenagem aos 90 anos da escola

    Por Marta Almeida

    A primeira escola de samba do Brasil, a Estácio de Sá, está comemorando 90 anos de existência. Pensando nessa data tão importante, o Departamento Cultural da vermelho e branco promove um ciclo de palestras para contar essa história, que acontecerá uma vez por mês, a partir do dia 10 de maio, próxima quarta-feira, na quadra da escola.
    Uma série de encontros, com mesas redondas, com o intuito de relembrar tantos momentos vividos pela agremiação. O tema da primeira roda será as escolas que deram origem ao berço do samba, que contará com nomes de peso, como Adilson Almeida, herdeiro de seu Bacural, um dos fundadores da Unidos de São Carlos e oriundo da Vê se Pode, com recordações fascinantes dos antigos desfiles.
    O encontro terá início às 20h e é aberto ao público e um convite aos componentes da agremiação, pesquisadores e sambistas, que queiram se aprofundar na história viva do samba e da própria Estácio de Sá.
    A mediação será feita por Yuri Eiras, estudante de jornalismo e um dos integrantes do departamento cultural da escola, e as atividades irão até agosto.
    A quadra da Estácio fica na Avenida Salvador de Sá, 206, Cidade Nova, Rio de Janeiro.

     


    Blog da Martinha

     

     

  • Estácio promove ciclo de palestras em homenagem aos 90 anos da escola

    Por Marta Almeida

    A primeira escola de samba do Brasil, a Estácio de Sá, está comemorando 90 anos de existência. Pensando nessa data tão importante, o Departamento Cultural da vermelho e branco promove um ciclo de palestras para contar essa história, que acontecerá uma vez por mês, a partir do dia 10 de maio, próxima quarta-feira, na quadra da escola.


    Uma série de encontros, com mesas redondas, com o intuito de relembrar tantos momentos vividos pela agremiação. O tema da primeira roda será as escolas que deram origem ao berço do samba, que contará com nomes de peso, como Adilson Almeida, herdeiro de seu Bacural, um dos fundadores da Unidos de São Carlos e oriundo da Vê se Pode, com recordações fascinantes dos antigos desfiles.


    O encontro terá início às 20h e é aberto ao público e um convite aos componentes da agremiação, pesquisadores e sambistas, que queiram se aprofundar na história viva do samba e da própria Estácio de Sá.


    A mediação será feita por Yuri Eiras, estudante de jornalismo e um dos integrantes do departamento cultural da escola, e as atividades irão até agosto.


    A quadra da Estácio fica na Avenida Salvador de Sá, 206, Cidade Nova, Rio de Janeiro.

     



    Blog da Martinha

     

     

  • Alegria promove feijoada para divulgar Enredo 2018

    Marcado para o dia 28 de maio, o evento terá a apresentação da equipe para o próximo desfile

    A Alegria da Zona Sul, escola que pertence a Série A do Carnaval carioca, promoverá uma feijoada em sua quadra de ensaios no dia 28 de maio para divulgar seu enredo e apresentar oficialmente sua equipe para 2018.

    O evento, marcado para iniciar as 13h, terá entrada franca, e o prato de feijoada será vendido por R$15,00. Os segmentos da escola farão sua tradicional apresentação. A festa contará ainda com uma roda de samba do grupo ‘Aderência’. 

    A quadra de ensaios da vermelho e branco do Pavão-Pavãozinho e do Cantagalo fica localizada na Rua Frei Caneca, nº 239, no Centro do Rio de Janeiro, próximo a Praça da Apoteose.

Deixe um comentário

Enquete

O que achou do novo site?
  • Votos: 0%
  • Votos: 0%
  • Votos: 0%
  • Votos: 0%
  • Votos: 0%
Votos totais:
Primeiro voto:
Último voto:

 

 

Entrevistas

Felipe Lima deixa o Dendê e assume a voz do Amarelinho

Felipe Lima deixa...

Por Daniel DuarteFoto: presidente Marquinhos e Felipe Lima/arquivo pessoal Após...

Marcus Vinícius desabafa: “A Alegria da Zona Sul merece respeito”

Marcus Vinícius desabafa:...

Por Wellington Lopes Foto: arquivo pessoal/por Val DiOlyvera Após a...

Lá vem a Pioneira sob a batuta do mestre China

Lá vem a...

Por Wellington LopesFoto: Alexandre Lourenço Ele nasceu José Roberto Monteiro Bitar,...

Escolas Mirins

Samba de Raiz

Pagode

Grupo Pixote na quadra da Estácio de Sá

Grupo Pixote na quadra da Estácio de Sá

O pagode vai rolar solto no Berço do Samba. Dia 27 de maio, sábado, a partir d...

Blocos

Carnaval pelo Brasil

Manacapuru e o festival de cirandas

Manacapuru e o festival de cirandas

Por Ricardo Maia A diversidade cultural do brasileiro encanta e surpreende cada vez mais. A cerc...

 

Extras

fotos

propaganda yes

JoomShaper