Wip lojas

Móveis pelo menor preço! 
www.movelcasa.com.br
Parcele seus móveis em até 12x Sem Juros

http://templatesjoomla.com.br/
Templatee Joomla Profissional!
Templates a partir de R$ 9,90.

O papel importante das alas comerciais

Publicado em Grupo Especial

Por Ricardo Maia
Fotos: Irlana Mesquita

 

Os preparativos para os desfiles das escolas de samba do carnaval do Rio de Janeiro estão na reta final. Para aprontar as fantasias das alas das comunidades, o relógio é o principal adversário. No entanto o que algumas pessoas desconhecem é que cerca de 30% das fantasias não são confeccionadas nos barracões das agremiações como pode parecer.

Nem todas as escolas vestem suas comunidades em sua totalidade, pois há um grupo de foliões, que apesar da imensa vontade em desfilar por sua escola preferida, todavia, por diversos motivos, não podem participar dos ensaios semanais das alas de comunidade e, consequentemente, de uma forma ou de outra não são credenciados a desfilar gratuitamente.

É nesse momento que entram em cena as alas comerciais. Consideradas por muitos o “patinho feio”, e por outros como “estratégicas”, é um ledo engano achar que elas são compostas por foliões que não cantam e nem dançam. Boa parte desses componentes chega à avenida com o samba na ponta da língua e com a garra de um guerreiro para desfilar, defendendo as cores da escola com afinco.

Visto pelo lado financeiro, essas alas são muitas das vezes uma válvula de escape para escolas em dificuldades para colocar o carnaval na avenida. Além de pagarem pelo "protótipo" - que nada mais é que um modelo da fantasia a ser reproduzida - um valor dispendioso, o presidente de ala arca com todas as despesas de confecção e dos materiais dessas fantasias, tirando do orçamento da escola o custo dessas roupas. A conta é bem simples: se uma escola colocar dez alas comerciais, estará "se livrando" do custo de confecção de 1.000 fantasias.

Para entender melhor o posicionamento dos presidentes dessas alas comerciais, OBATUQUE.COM visitou duas das mais tradicionais alas do carnaval carioca: a Estrela Guia, da Mocidade Independente de Padre Miguel, e a Raízes, da Portela.

IMG 20170207 WA0010 1IMG 20170207 WA0023Com mais de 40 anos no carnaval carioca, a ala Estrela Guia, presidida por Cleide Alves, tem seu atelier montado em um bairro da zona norte do Rio. Entusiasta e participativa da festa de Momo, Cleide, que atua na Mocidade há 25 anos, afirma não se apavorar com nenhum trabalho por mais difícil que pareça.

Por vezes, os presidentes de ala se deparam com materiais difíceis de trabalhar e até prejudiciais, mas segundo Cleide, não pode se abater: "A palha, por exemplo, dá uma coceira, mas faz parte do africano. Passa uma pomadinha e continua o trabalho. Porque o resultado vai ficar lindo". Entretanto, a sua preferência fica evidente quando os olhos brilham, ao falar em montar arranjos de plumas, e se gaba com o resultado do trabalho: “Ninguém modela ou corta melhor que eu”.

Apaixonado pela azul e branco de Madureira, Luciano de Oliveira divide seu tempo entre o emprego e o atelier muito bem-montado no bairro de Tomaz Coelho. Fala com orgulho da sua ala criada por Seu Claudio, um dos fundadores da Portela.

Questionado sobre a importância das alas comerciais, Luciano lembra da função estratégica delas para os componentes apaixonados pela escola e que, por algum motivo, não podem participar dos ensaios. Ao entregar as fantasias, ele tem o cuidado de enviar junto um roteiro que informa ao componente detalhes de como ele deve se apresentar e se comportar na concentração no dia do desfile.

- Um dos grandes problemas que enfrentamos é com o tamanho das fantasias que muitas as vezes não cabem em um carro de passeio. Nosso componente tem que chegar com ela inteira na avenida, sob pena de ser retirado ainda na concentração, caso a fantasia esteja quebrada ou faltando pedaço. Na minha ala não entra mesmo, eu mesmo retiro - explicou Luciano.

IMG 20170207 WA0012IMG 20170207 WA0022De acordo ainda com o portelense, as alas comerciais precisam ser vistas pelas escolas como partes importantes do processo: "Os presidentes de alas são pessoas apaixonadas pela escola e que sempre buscam fazer o melhor por ela. Na verdade, eles deveriam receber o título de “Harmonia de Ala”, porque fazem exatamente o mesmo trabalho dos diretores de harmonia, que é motivar os componentes a dançarem e a cantarem forte o samba e manterem a disciplina dentro dos padrões de desfile exigido pelo regulamento”.

Outra dificuldade que os profissionais apresentaram é relativo aos valores das fantasias, que hoje são vendidas em média por R$ 1.500,00, no Grupo Especial. Para Luciano, algo precisa ser feito, como por exemplo trocar materiais mais baratos por outros que fazem o mesmo efeito visual:

- Um casal tem que disponibilizar cerca de R$ 3.000,00 para desfilar em uma escola. Esse valor está bem acima da realidade brasileira. Penso que uma fantasia deveria custar em torno de um salário mínimo e acredito que haveria condições para isso.

De acordo com ele, Paulo Barros é um carnavalesco bem maleável nesse sentido, um dos mais fáceis de trabalhar. Já Cleide, dificilmente pede a troca de um material utilizado no protótipo. E para baratear os custos, ela faz pessoalmente a compra do material, do corte e da modelagem, o que barateia, segundo ela, a mão de obra, além de garantir a qualidade do trabalho.

Apesar das “disputas sadias” na confecção das alas comerciais, e a árdua tarefa de colaborar, no dia a dia, em colocar mais um carnaval na rua, questionados sobre o que eles esperaram do resultado na Quarta-Feira de Cinzas, os dois têm posições bem definidas.

- A mocidade está linda, nós vamos ser campeões – apostou a otimista Cleide.

- Estou muito satisfeito com tudo que vem acontecendo com a Portela. A dignidade do portelense foi recuperada. Se você quiser ser campeão vem para a Portela! – ressaltou o entusiasmado Luciano.

Agora é aguardar para ver quem tem razão.

Itens relacionados (por tag)

  • Mocidade tem segunda data de recadastramento para a comunidade

    Foto: Eduardo Hollanda

    Após grande procura na primeira data de recadastramento, a Mocidade Independente de Padre Miguel oferece a segunda oportunidade para quem quiser desfilar nas alas de comunidade da agremiação em 2018. No próximo dia 6 de maio, das 10h às 18h na quadra, haverá o recadastramento para quem integrou uma das alas de comunidade no último carnaval e fez a devolução de sua fantasia.

    - A participação da nossa comunidade têm nos enchido de orgulho. Na primeira data já tivemos uma adesão muito grande. A tendência é que isso se repita agora. O componente da Mocidade entendeu muito bem a sua importância no nosso último ciclo de preparação. O resultado foi o título que não vinha há 21 anos e um grande desfile. Queremos mais! Podemos mais! E cada componente é importante nisso – afirma Marquinho Marino, diretor de carnaval.

    Os componentes que já se inscreveram na primeira data de recadastramento, dia 06 de abril, podem comparecer na quadra neste sábado, também das 10h ás 18h, para pegarem suas carteirinhas do Carnaval 2018

    Para se reinscrever, é preciso levar xerox do RG, CPF, comprovante de residência e uma foto 3×4, a outra será tirada no ato da inscrição. É necessário também pagar uma taxa no valor de R$ 40. Parte deste valor será destinado a confecção da carteirinha que dá acesso a todos os eventos de samba na quadra.

    O recadastramento é exclusivamente destinado a quem desfilou nas alas de comunidade em 2017, ano em que a Mocidade Independente conquistou o sexto título de sua história.

  • União da Ilha comemora Dia de São Jorge neste domingo

    A programação para comemorar o Dia de São Jorge neste domingo será intensa na quadra da União da Ilha. A agremiação insulana preparou para os fiéis do "Santo Guerreiro" uma programação que contará com missa, queima de fogos, feijoada, velha guarda musical da escola, apresentação do novo coreógrafo da comissão de frente, Márcio Moura, shows dos grupos "Samba do Amigo Meu" e Dudu Nobre, Pique Novo e do cantor Belo. Para fechar o dia com chave de ouro, bateria do mestre Ciça, Ito Melodia e o carro de som com sambas inesquecíveis da Ilha, passistas, baianas e casais de mestre-sala e porta-bandeira


    Confira a programação que ocorrerá o dia todo:

    11h - Missa no interior da quadra;

    em seguida: 

    tradicional queima de fogos no estacionamento da quadra;

    feijoada na quadra;

    show da Velha Guarda musical;

    show do grupo Samba do Amigo Meu e Dudu Nobre;

    show do grupo Pique Novo;

    show do cantor Belo;

    bateria do Mestre Ciça e Ito Melodia com sambas inesquecíveis.

  • Hoje, 6 de abril, finalmente conhecemos a campeã, ou melhor, as campeãs do carnaval

    Por Ricardo Maia
    Foto: Luis Leite

    Indiscutivelmente a Mocidade fez um desfile digno de campeã. A meu ver, em relação à plasticamente, foi a melhor escola que passou na avenida. Algumas vertentes da forma que esse título é que me causam alguma surpresa.

    Não me lembro em outros carnavais de uma campeã da avenida ter sido aclamada em plenária. A reunião também teve um comportamento atípico. Das 13 escolas com direito a votos, cinco resolveram de abster. E as cinco consideradas escolas de ponta. Como pode quase a metade do grupo, e justamente as que sempre disputam títulos se absterem de uma decisão tão importante para o futuro do carnaval? Com exceção da Mangueira, as outras sete escolas consideradas, digamos, o segundo escalão do Grupo Especial, votaram a favor. Jogo de interesses? Acordo de amigos?

    Entendam-me. Não estou desqualificando o título da Mocidade, que poderia perfeitamente ter sido aclamada campeã na abertura dos envelopes. Estou avaliando a forma que esse título foi conquistado.

    Em 1980, a última vez que foi decretado empate, os jurados deram notas máximas para as três escolas campeãs, não havendo possibilidade de desempatar. Mas 2017 foi bem diferente.

    Título dividido? Mas por quê? Como assim? Baseado em quê?

    Se o décimo tirado da Mocidade foi devolvido, ela teria 269,9 pontos, terminando empatado com a Portela. Porém temos quesitos de desempates. Vamos avançando sobre eles... enredo mestre-sala e porta-bandeira, harmonia, evolução... até aí as duas seguiriam empatadas com 30 pontos. Então chegamos ao quesito comissão de frente: Mocidade 10, 10, 10, Portela 10, 10, 9,9. Pronto, a Mocidade seria campeã pelo desempate.

    Todavia a Liesa declarou empate. Que empate é esse? Se considerarmos o julgamento pelas notas dos jurados na pista, deu Portela, se formos pelas notas das justificativas, deu Mocidade. Empate jamais. De maneira alguma daria empate.

    Mas a plenária da Liesa declarou empate. Tirou da cartola um empate totalmente inventado. Jogou na lama a credibilidade dos desfiles. Em troca de não sei o quê.

    O Carnaval 2017 vai ficar marcado como o carnaval das viradas de mesas. Primeiro ninguém desce, depois as campeãs ficam empatadas, mesmo o regulamento permitindo um desempate real.

    Será que a partir de 2018, na Quarta-Feira de Cinzas, haverá comemoração ou teremos que aguardar a abertura das envelopes com suas justificativas?

    Vamos aguardar, mas ainda tento acreditar que "vale o que está escrito!"

Deixe um comentário

Enquete

O que achou do novo site?
  • Votos: 0%
  • Votos: 0%
  • Votos: 0%
  • Votos: 0%
  • Votos: 0%
Votos totais:
Primeiro voto:
Último voto:

 

 

Entrevistas

Felipe Lima deixa o Dendê e assume a voz do Amarelinho

Felipe Lima deixa...

Por Daniel DuarteFoto: presidente Marquinhos e Felipe Lima/arquivo pessoal Após...

Marcus Vinícius desabafa: “A Alegria da Zona Sul merece respeito”

Marcus Vinícius desabafa:...

Por Wellington Lopes Foto: arquivo pessoal/por Val DiOlyvera Após a...

Lá vem a Pioneira sob a batuta do mestre China

Lá vem a...

Por Wellington LopesFoto: Alexandre Lourenço Ele nasceu José Roberto Monteiro Bitar,...

Escolas Mirins

Samba de Raiz

Pagode

Blocos

Carnaval pelo Brasil

 

Extras

fotos

propaganda yes

JoomShaper